Política

Milhares de engenhos explosivos são recolhidos

Weza Pascoal | Menongue e Lino Vieira | Luena

O Instituto Nacional de Desminagem (INAD) no Cuando Cubango removeu 2.568 engenhos explosivos nos municípios de Menongue e Cuito Cuanavale, entre os meses de Janeiro e Agosto.

Autoridades expõem diverso material recolhido
Fotografia: Nicolau Vasco | Edições Novembro-Menongue

O chefe de operações do INAD na província, Isaac Xavier Chivinda, no município do Cuito Cuanavale, informou ontem que foram removidas 125 minas antitanque, seis antipessoal, 2.417 engenhos explosivos não detonados e 76.202 metais. Nos arredores da cidade de Menongue foram desactivadas três minas antitanque, uma antipessoal e 16 engenhos explosivos não detonados.
Isaac Xavier Chivinda disse que as acções de desminagem desenvolvidas pelo INAD permitiram limpar uma área de 265.866 metros quadrados apta para a circulação de pessoas e bens, cultivo e construção de infra-estruturas sociais.
No mesmo período a instituição registou dois acidentes com minas, sendo um no bairro Saprinho, arredores da cidade de Menongue, com um morto, e outro no município do Cuchi, com um ferido. O Instituto Nacional de Desminagem na província conta com 24 sapadores, oito operadores de máquinas e sete guias caninos que estão a remover engenhos explosivos e munições diversas, muitas das vezes com informações fornecidas pela população.

Armas obsoletas

Um total de 440 armas de diverso calibre em estado obsoleto foram destruídas na cidade do Luena, Moxico, no âmbito do Processo de Desarmamento da População Civil.
Na abertura da terceira fase de destruição de armas, a vice governadora para esfera social e coordenadora do processo, Adriana Cacuassa Bento, lembrou que o programa teve inicio em 2008, com quatro fases, nomeadamente sensibilização das populações que possuam armas de fogo, entrega voluntária, entrega coerciva e controlo.

Tempo

Multimédia