Política

Ministro anuncia dias melhores para o Bengo

Edson Fontes | Caxito

O ministro da Administração do Território e Reforma do Estado, Adão de Almeida, garantiu ontem, em Caxito, que o nível de governação da província do Bengo vai mudar, face aos múltiplos desafios que o Executivo tem para com a região.

Mara Quiosa recebe pastas do vice-governador que tinha assumido o governo da província
Fotografia: Maria João | Edições Novembro | Caxito

Adão de Almeida, que falava após a apresentação da nova governadora da província do Bengo, Mara Baptista Quiosa, fez saber que é necessário abrir um novo ciclo, com o objectivo de melhorar a vida socioeconómica daquela região.
Na óptica do ministro, a proximidade com Luanda não pode prejudicar o desenvolvimento da província do Bengo. Pelo contrário, Adão de Almeida defendeu que esse deve ser um elemento que agrega valor e facilita o trabalho, para que a região siga uma velocidade melhor do que aquela que se assiste nos últimos tempos.
Adão de Almeida disse que estes objectivos só serão possíveis alcançar com a constituição de uma equipa de trabalho coesa, unida e capaz de andar em direcção ao mesmo propósito. O ministro lembrou que o Presidente da República depositou a sua confiança e espera resultados desta nova governação, no sentido de dar maior dignidade à população do Bengo.
A governadora Mara Quiosa, disse, é uma pessoa bastante dinâmica, com uma capacidade de entrega ao trabalho e de unir pessoas em torno de projectos bastante apreciáveis. Segundo Adão de Almeida, um dos elementos fundamentais para este programa é conseguir dinamizar o trabalho a nível da administração municipal. De resto, disse ser essa uma das tarefas principais que o seu ministério pretende levar a cabo nos municípios com vista à solução dos problemas das populações.
Trabalho comum
Por seu turno, a nova governadora da província do Bengo exortou os membros do governo local, entidades civis, religiosas e tradicionais no sentido de todos trabalharem em comum, já que é necessário este apoio para não defraudar a confiança a si depositada.
Mara Baptista Quiosa disse que “ninguém trabalha sozinho”, pelo que, defendeu, é preciso unir sinergias. Apontou como grandes prioridades a educação, saúde e o saneamento básico. Por isso, prometeu fazer um diagnóstico da situação real.
O equilíbrio de género, a atenção à juventude e aos mais velhos também são alvos da nova governação. Mara Baptista Quiosa sublinhou que os mais velhos detêm o saber e o conhecimento “para alcançarmos os nossos objectivos”.
A nova governadora disse contar com o seu antecessor, João Bernardo Miranda, agora embaixador de Angola em França, pela sua vasta experiência.
Mara Baptista Quiosa é a nona pessoa a governar a província do Bengo, sendo ela a primeira mulher.
A província do Bengo é composta por seis municípios, nomeadamente, Ambriz, Dande, Dembos, Pango Aluquém. Bula-Atumba e Nambuangongo e possui uma extensão de 33.016 quilómetros quadrados. Encontra-se situada no litoral norte de Angola e faz fronteira com as províncias do Uíje, Zaire, Cuanza-Norte, Luanda e o Oceano Atlântico.
Depois da tomada de posse, na quarta-feira, no Palácio Presidencial, a governadora do Bengo apontou como prioridades a atenção à educação, saúde e saneamento básico.
Mara Quiosa, que já ocupou o cargo de vice-presidente da Comissão Administrativa de Luanda, tomou posse no cargo de governadora provincial do Bengo, em substituição de João Miranda, que foi nomeado embaixador de Angola em França.
A nova governadora sublinhou que o facto de a província ser potencialmente agrícola faz com que a atenção especial deve ser prestada à agricultura e à criação de empregos nas zonas rurais.
Mara Quiosa afirmou que foi orientada a captar investimentos privados, internos e externos, para promover o desenvolvimento da província.
Questionada sobre o desenvolvimento urbanístico da província, falou da necessidade de um diagnóstico da real situação e que espera contar com os quadros da província para a alavancar.

Tempo

Multimédia