Política

Ministro do Interior desmente torturas

O ministro do Interior considerou quarta-feira, em Luanda, “falsas” as imagens que correm o mundo nas redes sociais, sobre alegadas torturas e mortes de con-goleses democráticos nas zonas diamantíferas do país, no âmbito da “Operação Transparência”.

Fotografia: Jaimagens | Ediçõs Novembro

Ângelo da Veiga Tavares, que intervinha em Luanda, na primeira reunião para a  criação do Conselho Nacio-nal dos Refugiados, disse que os malfeitores foram rebuscar um vídeo contendo ima-gens de um motim ocorrido em 2012, na Cadeia Central de Luanda, ludibriando de-ste modo a comunidade internacional.
“Algumas pessoas de má fé têm estado a realizar uma campanha contra o Estado angolano como consequência da 'Operação Transparência', que decorre no país, sobretudo na Lunda-Norte”, afirmou Ângelo da Veiga Tavares, assegurando que, até agora, não foi registada nenhuma violação de direitos humanos nas Lundas.
O ministro do Interior também manifestou-se desapontado com algumas ONG que procuram inserir nos seus relatórios a serem presentes no Fórum Mundial sobre os Direitos Humanos, no próximo mês, no México, informações de maus tratos, mortes e violações, que supostamente dizem estar a ocorrer no país.
“Até agora não se registaram quaisquer violações durante a 'Operação Transparência', e muito menos mortes”, garantiu o ministro do Interior, acrescentando que a única morte assinalada é de um cidadão estrangeiro, provocada por acidente de viação.

Tempo

Multimédia