Política

MPLA garante ter a solução para os problemas do povo

Manuel Fontoura| Ndalatando**

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, garantiu ontem, em Ndalatando, Cuan-za-Norte, que os esforços do partido, neste momento, residem na resolução dos problemas do povo.

Vice-presidente do MPLA orientou, em Ndalatando, o acto central antecipado
Fotografia: Nilo Mateus | Edições Novembro | Ndalatando

Ao discursar no acto político central do 63º aniversário da fundação do MPLA, em representação do presidente do partido, João Lourenço, Luísa Damião precisou que todos estes desafios devem ser vencidos com o tempo e trabalho árduo, que está a ser realizado pelo Executivo, com apoio dos angolanos e com iniciativas do sector privado.
“O MPLA sempre esteve ao lado do povo, inspirado na justiça social e nas mais legítimas aspirações e ideias da Mãe Pátria”, disse, sublinhando a necessidade de se manter fiéis aos ideais dos “Pais fundadores” do nacionalismo angolano, consubstanciado nos desígnios do povo angolano, como a liberdade, a unidade nacional, a democracia e o desenvolvimento sócio-económico, fazendo jus, a uma das premissas do MPLA, segundo a qual, “Com a força do passado e do presente, construamos um futuro melhor”.
Luísa Damião garantiu que há uma aposta contínua na implementação de políticas públicas e sociais para a dignificação da mulher, igualdade de género e sua participação activa nos processos de tomada de decisão.
Luísa Damião falou igualmente para a juventude, apelando-os a desempenharem um papel importante a favor do desenvolvimento do país. Parafraseando o presidente João Lourenço, frisou que “a JMPLA deve ser o fiel in-térprete dos anseios e aspirações da juventude ango-
lana, cuja missão radica na necessidade de contribuir na educação dos jovens dentro dos princípios da ética, da moral, do amor ao estudo e ao trabalho, do patriotismo como defende o MPLA”.
Para a vice-presidente do MPLA, a trajectória de lutas e de vitórias do partido assen-
ta na sua “capacidade de galvanizar a sociedade para os imperativos nacionais”, pelo que o processo de revitalização dos Comités de Acção do partido deve proporcionar não apenas melhor controlo estatístico sobre o universo real da massa militante, mas também a sua distribuição e localização nos bairros, distritos, aldeias e vilas, com a finalidade de acompanhar o dia-a-dia das comunidades.

Melhorias no Cuanza-Norte

A província do Cuanza-Norte vai, nos próximos tempos, conhecer uma nova dinâmica no desenvolvimento económico e social, com o contributo de todas inteligências da província, dos departamentos ministeriais, apesar da difícil situação económica e financeira que o país atravessa. A garantia foi dada ontem, em Ndalatando, pela vice-presidente do MPLA Luísa Damião disse que o povo do Cuanza-Norte merece uma atenção especial, em áreas como abastecimento de água e energia, educação e saúde, melhoria das infra-estruturas de ensino superior, reabilitação das estradas secundárias e terciárias e o emprego para os jovens.
O discurso de Luísa Da-mião foi antecedido das palavras de boas vindas do se-
cretário do Comité Provincial do Cuanza-Norte, Adri-ano Mendes de Carvalho, além das intervenções dos secretários nacionais da JMPLA e OMA, Crispiniano dos Santos, e Luzia Inglês, respectivamente.
O secretário Nacional da JMPLA sublinhou que a forma como o Presidente João Lourenço está a conduzir o país, é factor motivador e inspirador para os jovens. “Este facto faz, agora e sempre, o viveiro dos quadros do partido, conforme a prática tem demonstrado e estará sempre engajada na materialização dos programas e orientações emanadas pelo MPLA e pelo líder do partido”, disse.
A líder da OMA, Luzia Inglês, reafirmou o firme apoio da organização, além de manifestar confiança ao Presidente João Lourenço e ao partido, para continuar com o compromisso de trabalhar para a concretizar os objectivos traçados em todos os domínios.

Actos provinciais

Na Lunda-Sul, o primeiro secretário local, Daniel Félix Neto, exortou os militantes, amigos e simpatizantes do partido a encararem com responsabilidade os feitos e desafios de uma nova Angola, de modos a conservar e preservar a paz e a unidade nacional.
Aconselhou que os militantes não devem se deixar enganar por pessoas alheias que nos últimos tempos se têm aproveitado da actual situação do país para incitarem a população a praticar actos socialmente condenáveis.
Enquanto no Moxico, o primeiro secretário, Gonçalves Muandumba, quer que os militantes apresentem soluções, sejam proactivos e íntegros para se cumprir com os programas sociais e económicos assumidos pelo governo sustentado pelo MPLA.
Lembrou que as eleições autárquicas, previstas para 2020, vão ser um desafio para o MPLA, que vai exigir organização, disciplina e responsabilidade.
No Huambo, a primeira secretária provincial desta formação política, Joana Lina Baptista Cândido, referiu, na vila da Chicala-Cholohanga, a 42 quilómetros a Leste da sede provincial, que o partido esteve sempre atento e respondeu as principais preocupações da po-pulação na sua longa e rica trajectória.
Falando para milhares de militantes, Joana Lina reconheceu ainda que o país vive uma situação sócio-ecónomica difícil, exigindo de todos sacrifícios, na procura de solução viáveis, com iniciativas e criatividade na resolução dos problemas básicos que ainda enfrentamos.
Já na Lunda-Norte, o primeiro secretário, Ernesto Muangala, reiterou que os quadros do partido, sobretudo, os com responsabilidades no aparelho do Estado a abdicarem-se de actos de corrupção na gestão do erário. Solicitou a colaboração da população na denúncia de actos de corrupção e crimes conexos.Na província do Cuanza-Sul, o primeiro secretário, Job Capapinha, falou das autarquias, no acto decorrido na Gabela, município do Porto Amboim, para quem o diálogo entre militantes, governantes e cidadãos pode assegurar a vitória no pleito previsto para 2020.
Na província do Namibe, o acto decorreu no Tômbwa, durante o qual o primeiro secretário provincial, Carlos da Rocha Cruz, recomendou maior unidade nacional e coesão no partido para contribuir na consolidação da democracia no seio dos angolanos.
Carlos da Cruz disse que os militantes devem pautar pelo caminho da construção, do bem-estar, progresso social e harmoniosos, privilegiando o espírito de solidariedade e patriotismo.
No Bié, o primeiro secretário, Pereira Alfredo, reafirmou, no município de Camacupa, o apelo à contínua luta pela paz social e económica como um desafio que os militantes e simpatizantes do partido devem desenvolver para o alcance do bem-estar da sociedade.
Para o político, desde a sua fundação, o MPLA sempre revelou-se como um partido do povo, que trabalha para o povo, partido da liberdade, da paz, da reconciliação nacional, progresso e bem estar do povo.
Em Malanje, o primeiro secretário Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, afirmou que o MPLA está aberto à críticas de quem quer que seja, independentemente da sua crença e ideologia, desde que sejam para o bem comum do país. “Vamos ouvir todas as vozes daqueles que nos criticam para saber o que eles precisam e as suas opiniões e mensagem e transformá-las em acções para resolver os problemas da população”, enfatizou.
*Com Angop

Tempo

Multimédia