Política

País Assinala chegada de escravos à América

João Dias

O país vai assinalar, na próxima semana, em Washington, os 400 anos da chegada dos primeiros 20 escravos angolanos ao território norte-americano com um conjunto de actividades sobre a efeméride, a serem organizadas pela Embaixada de Angola nos Estados Unidos.

Embaixadora reafirmou a colaboração nos programas de luta contra o VIH-Sida e malária
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Em declarações à imprensa, no termo de uma audiência que lhe foi concedida pelo Presidente da República, no Palácio Presidencial, a embaixadora dos Estados Unidos, Nina Maria Fite, disse que discutiu a questão durante o encontro com o Chefe de Estado. “Analisámos aspectos ligados com a realização, em Washington, de várias actividades em alusão à chegada dos primeiros angolanos nos Estados Unidos da América e o estabelecimento da ligação entre os dois países”, disse a diplomata.
Considerou “estáveis” as relações entre os Estados Unidos e Angola, numa altura em que, cada vez mais, se procura fortalecer a cooperação.
A decorrer no Museu Afro-Americano, o evento pretende recordar o percurso dos angolanos e o “rasto histórico” que deixaram para as actuais gerações. “É muito interessante, pois, quando entramos no Museu, a primeira coisa que encontramos é a estátua da Rainha Ginga”, sublinhou, lembrando que a questão acaba por ser “muito importante para os Estados Unidos, porque abre uma oportunidade para conhecer-se melhor sobre Angola e os laços culturais que o caracterizam”.
A preparação do evento esteve a cargo de uma Comissão Interministerial coordenada pelo ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, e integra os ministros da Cultura, Maria da Piedade de Jesus (coordenadora-adjunta), das Finanças, Vera Daves, da Administração do Território e Reforma do Estado, Adão de Almeida, e do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Sambo.
Segundo o Despacho Presidencial nº 146/19, de 9 de Agosto, a celebração “encerra uma oportunidade singular para Angola projectar a sua imagem e divulgar a sua importância histórica no desenvolvimento dos Estados Unidos da América”.
Tendo em conta “a relevância da História angolana protagonizada pelos filhos da nossa pátria além-fronteiras”, o Governo decidiu, por isso, juntar-se à comemoração que vai ter lugar no Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana em Washington D.C.
Foi em Agosto de 1619 que os primeiros navios portugueses transportando africanos, que tinham sido raptados e vendidos como escravos no território que viria a ser Angola, chegaram à cidade de Jamestown, no Estado da Virgínia, na altura uma colónia britânica.
Nina Maria Fite lembrou haver entre Angola e os Estados Unidos uma estreita colaboração na luta contra o VIH-Sida, através da “Campanha Nascer Livre para Brilhar”, liderada pela Primeira-Dama, Ana Dias Lourenço, bem como programas contra a malária e desminagem. “Existem muitas áreas em que trabalhamos juntos. Vamos continuar a trabalhar no apoio à luta que Angola está a empreender contra o branqueamento de capitais”, concluiu.

Mensagem do Mali

Ainda ontem, o Presidente João Lourenço recebeu uma mensagem de amizade e de fraternidade do homólogo do Mali, Ibrahim Boubacar Keita.
A mensagem foi entregue por Tiebelle Dram, enviado especial do Presidente maliano.
Tiebelle Dram referiu que, na mensagem, o Presidente maliano expressa o reforço das excelentes relações de cooperação entre os dois países. “Estas relações não datam de hoje e têm sido, ao longo destes anos, relações fraternas e muito diversificadas”, disse o enviado especial de Ibrahim Boubacar Keita. “Acompanhamos a luta do povo angolano desde a Independência e o impacto que teve em toda a África e não só na África Austral. O que Angola fez na batalha do Cuito Cuanavale foi decisivo na libertação de muitos povos. Estes são actos que o Mali tem acompanhado e tem uma grande estima pelo povo angolano”, disse.
Para reforçar os laços de cooperação, o Mali instalou, recentemente, a Embaixada em Angola. Ainda neste sentido, o Presidente maliano visitou Angola, em Setembro.

Tempo

Multimédia