Política

PGR pede mais rigor na implementação

João Salvo | Saurimo

Gestores públicos, académicos, autoridades tradicionais e religiosas analisaram, em Saurimo, os pressupostos definidos para a contratação pública, consequências legais por actos que lesem a probidade e configurem criminalidade económico-financeira, durante uma palestra promovida pela Procuradoria Geral da República.

Manuel Beato Paulo, procurador-geral adjunto da República
Fotografia: Edições Novembro

Na abertura do evento, o procurador-geral adjunto Manuel Beato Paulo explicou que, com o ciclo de palestras para gestores, empresários e sociedade civil, o Ministério Público pretende contribuir na disseminação de regras de boa gestão financeira, para o resgate da probidade administrativa, elevar a consciência jurídica e desencorajar a prática de crimes económicos e financeiros.
As palestras acontecem no âmbito da implementação do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), que arrancou na semana passada. Questões sobre a contratação pública e a elaboração de projectos dominaram as intervenções dos participantes durante as prelecções que foram apresentadas por técnicos do Ministério das Finanças e magistrados do Ministério Público baseados em Saurimo.
O governador provincial em exercício, Izildo Paulo, ao intervir na abertura, valorizou a visão da PGR e apelou aos gestores públicos, em particular os administradores municipais, a trabalharem em prol do desenvolvimento das localidades que gerem, com apoio do PIIM.
Refrescados com os conhecimentos adquiridos, os administradores de Saurimo e Cacolo, Neves Romão e Adérito Cahanga, respectivamente, reafirmaram a disponibilidade de trabalhar com lisura e transparência na execução dos projectos definidos no âmbito do Plano de Intervenção nos Municípios.

Tempo

Multimédia