Política

PGR carece de quadros para melhorar acção

Os serviços da Procuradoria Geral da República (PGR) instalados nos municípios de Calandula e Cacuso, província de Malanje, necessitam de mais quadros e  infra-estruturas condignas para acomodação dos funcionários e  melhorar a prestação de serviços.

Província de Malanje
Fotografia: DR

As preocupações foram apresentadas quarta-feira, no decurso da visita de constatação efectuada pela sub-procuradora-geral adjunta da República acompanhante da província de Malanje, Maria Pacavira.
O procurador-geral da República no município de Calandula, António Van-Dúnem, disse que a visita da magistrada Maria Pacavira constitui uma mais-valia, na medida em que visou constatar os problemas vividos.
O magistrado do Ministério Público disse estar preocupado com o elevado índice de criminalidade nos municípios de Calandula e Massango, com destaque para homicídios voluntários, violações, furtos, roubos, ofensas corporais, exploração de minerais estratégicos e cultivo e comercialização de liamba.
António Van-Dúnem disse que o município de Calandula precisa de pelo menos mais um magistrado, devido ao elevado índice de crimes registados nos últimos dias nas mesmas áreas. Entretanto, Maria Pacavira já disse que as soluções da PGR vão depender do Orçamento Geral do Estado (OGE), porque a instituição não tem, de imediato, capacidades para resolver problemas do género.
No município de Cacuso, a PGR enfrenta inúmeras dificuldades, com destaque para a falta de infra-estruturas apropriadas e o reduzido número de quadros para responder à demanda do município, assim como melhor acomodação dos profissionais.
De acordo com o representante da PGR em Cacuso, Joaquim Francisco, para dar resposta às várias ocorrências a instituição tem trabalhado  em parceria com a Polícia.

Tempo

Multimédia