Política

Plano alinhado aos recursos disponíveis para o emprego

O Executivo está a trabalhar para implementar, de forma imediata, o Plano de Acção para Promoção da Empregabilidade (PAPE), garantiu a ministra da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social. Teresa Dias referiu que o PAPE está a ser realinhado em função das disponibilidades financeiras do OGE, no sentido de, no mais curto espaço de tempo, funcionar devidamente.

Ministra visitou Incubadora e serviços provinciais do INEFOP
Fotografia: João Gomes| Edições Novembro

Em declarações à imprensa, no final de uma visita de constatação aos serviços provinciais do Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional de Luanda (INEFOP) e à Incubadora de Empresas, Teresa Dias salientou a existência de constrangimentos, financeiro e material, que deverão ser ultrapassados com os recursos do Plano de Empregabilidade.

Salientou que o sector vai apostar no melhoramento dos centros de formação que as estruturas precisam para o devido alinhamento às necessidades dos empreendedores.
“Para vermos se os nossos centros estão ou não capacitados para dar corpo ao programa, visitámos também a Incubadora de Empresas, onde os projectos são alinhados e trabalhados para depois poder criar mais postos de trabalho”, afirmou.

A ministra referiu ainda que o objectivo é ter contacto directo com as estruturas físicas, saber dos constrangimentos e dificuldades dos agentes administrativos, para poder realinhar e corresponder às expectativas no que toca à empregabilidade. />Realçou que a aposta do Executivo, nos últimos anos, passa por aumentar o número de empregados. "Tivemos uma condicionante que nos tem levado a perder postos de trabalho, ainda assim não podemos cruzar os braços”, afirmou Teresa Dias.

Segundo a Angop, a ministra visitou os serviços provinciais do INEFOP, Inspecção Geral do Trabalho, Incubadora de Empresas, Centro Polivalente de Formação Profissional e o Centro de Formação de Formadores. O objectivo do PAPE é aumentar a capacidade institucional dos centros de formação profissional e de emprego, tanto públicos como privados, melhorar a sua organização e funcionamento, qualidade da oferta formativa, bem como a extensão da rede das unidades formativas e de emprego.

O PAPE surgiu para fomentar e apoiar o espírito de iniciativa dos empreendedores, fundamentalmente, dos jovens e mulheres, valorizar o exercício das profissões, através da atribuição das carteiras profissionais e dar oportunidade de estágios aos recém-formados.

Tempo

Multimédia