Política

Polícia ordena inquérito a denúncias de corrupção

Um inquérito para apurar a veracidade das denúncias públicas de actos de corrupção na Direcção dos Recursos Humanos do comando de Luanda da Polícia Nacional foi aberto na terça-feira pela delegação provincial do Ministério do Interior.

Mateus Rodrigues porta-voz da Polícia Nacional em Luanda
Fotografia: Domingos Cadência | Edições Novembro

O comunicado do gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da delegação provincial do Ministério do Interior a que a Angop teve acesso considera gravíssimas as acusações feitas no portal Club-K. “Pela forma como os factos são narrados, estamos diante de crimes cometido por ambas as partes, numa das instituições vocacionadas para a prevenção e combate aos crimes, o que agrava ainda mais a situação”, refere o comunicado. 
Segundo o documento, trata-se de denúncias cujo esclarecimento e apuramento de eventuais responsabilidades disciplinares ou criminais são do interesse institucional da delegação de Luanda do Ministério do Interior.
Para que o assunto seja convincentemente tratado em sede processual, prossegue o comunicado, impõe-se que as vítimas formalizem a denúncia junto do inspector provincial da corporação e forneçam informações necessárias para um cabal esclarecimento dos factos.
O documento informa ainda que o referido portal foi já informado sobre o posicionamento da delegação provincial do Ministério do Interior a respeito do assunto.
As denúncias indicam que foram cobrados entre 300 mil e 500 mil kwanzas para que um agente fosse promovido. A troca de favores sexuais para que efectivos do sexo feminino sejam promovidos também consta das denúncias.
O combate à corrupção é uma das promessas feitas pelo Presidente da República, durante a campanha eleitoral. João Lourenço reafirmou essa promessa no acto da sua investidura.

Tempo

Multimédia