Política

Portugal prepara regresso de empresários a Angola

Adelina Inácio

As autoridades portuguesas têm já identificadas as pessoas essenciais para regressarem a Angola e reatarem os projectos prioritários, suspensos devido à pandemia da Covid-19.

Presidente da Assembleia Nacional recebeu, em audiência, embaixador Pedro Pessoa e Costa
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Apesar da pandemia da Covid-19 que afecta o mundo, o embaixador de Portugal, Pedro Pessoa e Costa, defende o regresso a Angola de empresários daquele país que trabalham em projectos prioritários para o Governo. Pedro Pessoa e Costa, que falava ontem, à imprensa, no final de um encontro com o Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, adiantou que a Embaixada está a trabalhar com empresários portugueses na identificação dos que devem regressar ao país.

“As empresas portuguesas fazem um tipo de negócio de maneira especial relacionada com formação e capacitação. Fazem verdadeiras alianças com os países. Temos sinalizadas algumas pessoas que são importantes integrarem equipas com projectos prioritários”, disse.

“As pessoas têm de regressar, naturalmente cumprindo todas as regras em vigor, no que diz respeito à apresentação de testes a quarentena para retomaram aquilo que ficou praticamente numa pausa por causa desta dificuldade que estamos a viver, relacionada à pandemia”, defendeu o embaixador, para quem é preciso que as pessoas se adaptem à situação actual. 

Portugal é um dos parceiros comerciais de Angola, com forte presença de empresas nos sectores da construção, banca, exportação de produtos alimentares e bebidas. Já Angola é um dos principais investidores em Portugal, com actividades que vão desde a energia às telecomunicações e banca.

O Presidente da República, João Lourenço, considerou, em Junho, que o contínuo estreitamento das relações de amizade e de cooperação entre Angola e Portugal favorecerá a concretização das várias iniciativas e projectos de interesse mútuo.

O Chefe de Estado, que fez esta afirmação numa mensagem ao homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, a felicitá-lo pelo Dia de Portugal, acrescentou que estas iniciativas e projectos vão ajudar a impulsionar o desenvolvimento de Angola e a consolidação das realizações de Portugal, em todos os domínios da vida nacional daquele país europeu.

 

Impacto da Covid-19 nas relações bilaterais

O embaixador Pedro Pessoa e Costa espera que as relações entre Portugal e Angola não sejam muito afectadas pela pandemia da Covid-19. “As relações de outro tipo - que não sejam aquelas estabelecidas entre os dois Estados - podem ter alguns sinais na parte comercial e na circulação de pessoas”, admitiu o diplomata, no final de um encontro com o presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos.

O que se pretende, segundo Pedro Pessoa e Costa, é que a relação comercial não seja muito afectada pela pandemia. Em Junho, aquando da sua acreditação, o embaixador português já havia admitido que o impacto da pandemia “é preocupante” do ponto de vista empresarial, mas sublinhou que os dois países partilham a “vontade de trabalhar em conjunto no presente e no futuro”.

De resto, durante o encontro com o presidente da Assembleia Nacional, foram trocadas impressões sobre as relações entre os dois países. “Saio com a certeza de que as relações bilaterais estão muito bem, recomendam-se e podem, também, ser melhoradas”, sublinhou.  

Quanto à relação parlamentar, Pedro Pessoa Costa disse que “está muito bem”, baseia-se nas relações pessoais e há possibilidade de melhorar ainda mais. “Estamos muito bem, podemos estar melhor e podemos fazer mais algumas coisas nesse sentido”, afirmou.

Tempo

Multimédia