Política

Presidência de Angola em debate

O representante permanente de Angola junto da União Africana, Francisco da Cruz, analisou, segunda-feira, em Addis Abeba (Etiópia), a presidência rotativa, pelo país, do Conselho de Paz e Segurança, com o comissário africano Smail Chergui.

Embaixador apresentou linhas de força do mandato
Fotografia: DR

Angola assume a presidência daquele órgão da União Africana em Dezembro. Trata-se da segunda vez que assumirá o comando do Conselho de Paz e Segurança (CPS), depois de tê-lo feito em Setembro de 2018, de acordo com o Serviço de Imprensa da Embaixada de Angola na Etiópia.
Na última ocasião que An-gola presidiu àquele órgão, a situação em países como o Burundi e a República Centro-Africana, o estado da Capacidade Africana de Reacção Imediata às Crises (CARIC), a coordenação das acções de paz e segurança entre o CPS e Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD), Comunidade de Estados da África Central CEAC e a União do Magreb, entre outros temas, dominaram a agenda diplomática.
Eleita em Janeiro de 2018, para um mandato de dois anos, Angola faz parte do CPS com a Argélia, Burundi, Djibuti, Guiné Equatorial, Gabão, Quénia, Lesotho, Libéria, Marrocos, Nigéria, Rwanda, Serra Leoa, Togo e Zimbabwe.
Na audiência, voltou a ser discutida a questão da inserção de quadros angolanos nas estruturas da União Africana, particularmente ligadas à Paz e Segurança, em relação à qual Smail Chergui já havia manifestado, em Maio do corrente ano, total disponibilidade em trabalhar com Angola.
Durante o encontro, passou-se igualmente em revista a actualidade no continente africano, no geral, e, em particular, na República Centro-Africana, onde o angolano Bertino Matondo é o representante especial do presidente da Comissão da União Africana.

Tempo

Multimédia