Política

Presidente da República defende incremento da cooperação científica com Cuba

O Presidente da República, João Lourenço, defendeu ontem , em Havana, o aprofundamento da cooperação entre as instituições académicas e científicas de Angola e Cuba, a fim de permitir uma melhor inserção competitiva dos dois países na economia internacional.

Aprofundar a cooperação entre as instituições académicas e científicas joga um papel decisivo na promoção do diálogo com o sector produtivo, defendeu João Lourenço
Fotografia: Mota Ambrósio | Edições Novembro

A Angop refere que, numa aula magna realizada na centenária Universidade de Havana - fundada a 5 de Janeiro de 1728 -, João Lourenço afirmou que o aprofundamento da cooperação entre as instituições académicas e científicas joga um papel decisivo na promoção do diálogo com o sector produtivo e pode assegurar uma maior oferta de empregos.

Afirmou que o futuro das relações com Cuba passa pelo incremento da mobilidade de académicos e investigadores, realizando projectos conjuntos, orientados para resolução dos problemas das populações e das empresas, tendo em vista a promoção do emprego.
Angola, informou, está a dedicar atenção especial à formação e ao desenvolvimento da investigação aplicada às áreas da saúde, agricultura, pesca, indústria, petróleo, gás, recursos naturais, ambiente, energia, comunicações, tecnologias de informação e turismo. Áreas que considerou cruciais para a diversificação da economia.
Durante a aula magna, o Estadista angolano apresentou a África Austral como uma região completamente livre do colonialismo, com um sistema democrático em franco desenvolvimento, incluindo as áreas económica e social. Aproveitou a ocasião para reafirmar a gratidão do povo angolano aos heróis cubanos.

Desafios para Angola
Quanto aos desafios que se colocam ao país, referiu que os mesmos passam, essencialmente, pela aposta sistemática na formação de quadros em áreas consideradas estratégicas e prioritárias para o seu desenvolvimento.
João Lourenço sublinhou a necessidade de contar com a experiência cubana na melhoria da qualidade do sistema de ensino em Angola e na formação de professores qualificados.
O Presidente da República referiu que os benefícios da cooperação nos domínios do ensino e da formação de quadros são visíveis nas dezenas de milhares de quadros angolanos formados nas várias áreas do saber.

Empenho de Cuba na formação
Segundo João Lourenço, Cuba é o país que mais se empenha na formação e qualificação de quadros angolanos e lembrou a ajuda deste Estado do Caribe para a defesa da soberania e integridade territorial de Angola, da independência da Namíbia e para abolição do “apartheid” (então regime segregacionista) na África do Sul.
Manifestou também admiração aos níveis altíssimos de qualidade, internacionalmente reconhecida, nos domínios da educação, saúde e da investigação científica alcançados por Cuba, apesar do embargo económico, que considerou injusto e desumano, imposto pelos Estados Unidos da América (EUA).
Em resposta a uma questão colocada por uma estudante cubana, João Lourenço defendeu o levantamento incondicional do embargo económico imposto pelos EUA.

Investimento no interior do país
Informou, em resposta a outra questão, que o Estado angolano está a promover incentivos aos empresários que invistam no interior do país, visando eliminar as assimetrias regionais herdadas do tempo colonial.
Falou ainda das medidas em curso para a diversificação da economia nacional e redução da dependência do petróleo.
O Presidente João Lourenço visitou ainda nesta segunda-feira um centro de engenharia genética e biotecnologia, em Havana.

 

 

Tempo

Multimédia