Política

Presidente quer empenho em prol da imagem do país

O Presidente da República, João Lourenço, pediu ontem, em Luanda, aos novos embaixadores angolanos para colocarem as suas experiências ao serviço da Nação.

José Filipe (à esquerda) chefiou o Protocolo Cerimonial do Presidente da República, agora empossado embaixador na República da Hungria
Fotografia: Angop

O Chefe de Estado deu posse ontem a novos embaixadores extraordinários e plenipotenciários de Angola no Egipto, Nelson Cosme, na Hungria, José Filipe, e no Gabão, Lizeth Nawanga Satumbo Pena.
Na cerimónia de ontem, testemunhada pelo Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, ministros de Estado, ministros e altos funcionários da Presidência da República, o Estadista conferiu também posse a Aguinaldo Guedes da Costa Cristóvão como secretário de Estado da Cultura.
Foram ainda empossados Bartolomeu Nunes no cargo de director do Cerimonial do Presidente da República e Francisco João de Carvalho Neto como secretário para os Assuntos Judiciais e Jurídicos, igualmente do Presidente da República.

Cooperação Sul-Sul

Em declarações à imprensa, o embaixador designado para o Egipto, Nelson Cosme, indicou que, entre as prioridades, destaca o reforço da cooperação Sul-Sul, a promoção do investimento em Angola, principalmente nos domínios dos Desportos, Energia, Saúde e no desenvolvimento da agricultura em zonas áridas. O chefe da missão diplomática angolana na Hungria, José Filipe, que durante cerca de 40 anos chefiou o Protocolo Cerimonial do Presidente da República, disse estar disponível para continuar a servir a Nação.
Lizeth Nawanga Satumbo Pena, embaixadora no Gabão, valorizou a promoção da diplomacia económica angolana.

Incentivo à criação

O secretário de Estado da Cultura, Aguinaldo Cristóvão, apontou, entre as prioridades, o incentivo à criação, com particular atenção para a política do livro e da leitura pública.
O jurista indicou que o Ministério da Cultura está a consolidar o programa de apoio aos agentes culturais, para o fomento da criatividade e da produção artística nacional. Para este ano, avançou, será revisto o papel das autoridades tradicionais e vai se concluir a discussão pública da Lei das Línguas de Angola, incluindo a portuguesa.
Aguinaldo Cristóvão sublinhou a necessidade do estabelecimento de um instrumento que confira dignidade e clarifique o entendimento sobre as línguas de Angola e que defina políticas para a promoção, fomento e incentivo à utilização das línguas nacionais, principalmente no ensino.

Rede de Bibliotecas

O secretário de Estado informou que o Estado vai continuar a prestar atenção ao alargamento da Rede de Bibliotecas como infra-estruturas culturais que deverão estar ao dispor dos cidadãos no quadro da promoção do livro e da leitura.
A Rede de Bibliotecas Públicas, que faz parte do Plano de Desenvolvimento Nacional, incluiu a construção de oito bibliotecas, até 2022, estando metade delas já concluídas.
O secretário de Estado da Cultura, Aguinaldo Guedes da Costa, defendeu a necessidade de promoção dos livros, de modo a concluir o ciclo da produção e do consumo artístico.
Os responsáveis foram nomeados por Despacho do Presidente da República, João Lourenço, na última segunda-feira.

Tempo

Multimédia