Política

Presidente da República na Alemanha em Agosto

O Presidente da República, João Lourenço, deverá deslocar-se, em Agosto do ano em curso, a Alemanha, em visita oficial de dois dias, confirmou à imprensa o embaixador daquele país da Europa Central em Angola, Rainer Muller.

Presidente João Lourenço e embaixador Rainer Muller falaram sobre a cooperação nos domínios económico e militar
Fotografia: Francisco Bernardo | Edições Novembro

O diplomata alemão, que foi recebido em audiência ontem pelo Presidente João Lourenço, adiantou os dias 22 e 23 de Agosto como datas da visita. “Falamos um pouco sobre o programa da visita, bem como sobre a cooperação militar e económica”, afirmou Rainer Muller, que encerra a sua missão em Angola na próxima segunda-feira.
Após quatro anos no país, o diplomata que já representou, como embaixador, o Estado alemão no Brasil e em Moçambique, disse que sai de Angola satisfeito. Justificou a sua satisfação pelo facto das relações entre Angola e a Alemanha estarem num momento de excelência. “Somos parceiros estratégicos. Temos uma comissão mista bilateral que se reúne em cada dois anos”, afirmou.
Quanto ao volume de negócios entre os dois países, disse rondar os 500 milhões de euros por ano, tendo como principal fonte a venda de petróleo angolano ao Esta-do europeu.
Diversas empresas alemãs trabalham, investem e financiam projectos em Angola. O ex- Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, visitou a Alemanha em 2009 e a Chanceler Angela Merkel retribuiu com uma visita a Angola, em 2011. Em 2012, foi criada a Comissão Bilateral de Cooperação entre Angola e Alemanha com o propósito de rever a cooperação existente e identificar outras áreas de cooperação.

Cooperação com os EUA
Ainda ontem, o Presidente da República recebeu em audiência a embaixadora dos Estados Unidos (EUA) em Angola, Nina Fite, com quem passou em revista o estado da cooperação bilateral.
À saída do encontro, a diplomata norte-americana informou que Angola e os EUA têm em curso negociações para a assinatura de vários memorandos de entendimento, com desta-que para um ligado ao sector de Saúde.
Nina Fite disse que os dois países estão a aperfeiçoar um programa de luta contra a malária e o HIV/Sida. A diplomata declarou que as relações comerciais entre os dois Estados são excelentes. “Queremos que essa ligação permaneça”, afirmou Nina Fite, que está acreditada em Angola desde Fevereiro do ano em curso.
A embaixadora referiu, igualmente, que a Administração norte-americana acompanha com particular interesse as reformas em curso em Angola e a luta contra a corrupção empreendida pelo Presidente João Lourenço.
Do ponto de vista da em-baixadora, essa acção poderá resultar em benefícios económicos e comerciais para os dois países.
Os Estados Unidos e An-gola estabeleceram relações diplomáticas formais em 1993. O sector da energia está no centro das relações angolano-americanas. Desde o fim da guerra em 2002, os objectivos da política externa dos Estados Unidos em Angola têm sido o de promover e fortalecer as instituições democráticas, bem como a prosperidade económica, melhorar a saúde, consolidar a paz e a segurança. Os Estados Unidos participaram, em parceria com Angola, na remoção de minas terrestres.
O Eximbank norte-americano dispõe de uma linha de crédito de apoio às exportações norte-americanas para Angola. A Câmara de Comércio Estados Unidos-Angola dedica-se à promoção do comércio e investimento entre os dois países.

Tempo

Multimédia