Política

Qualidade de informação condiciona contas anuais

Edna Dala

O Instituto Nacional de Estatística  vai reiniciar, nos próximos meses, a publicação das contas nacionais anuais e trimestrais, cuja divulgação esteve interrompida devido à falta de qualidade da informação fornecida pelas instituições, informou o director-geral da instituição, Camilo Ceita.

Camilo Ceita lamentou o facto de os últimos dados estatísticos terem sido feitos há dois anos
Fotografia: Vigas da Purificação| Edições Novembro

Camilo Ceita reconheceu também que o atraso na divulgação das contas nacionais alterou o programa, mas, ainda assim, o grande objectivo é aperfeiçoar a qualidade das informações.
Por esta razão, explicou, o INE decidiu capacitar as fontes e trabalhar com as mesmas  para maior eficácia das informações.
Além de trabalhar com as fontes, acrescentou, o Instituto Nacional de Estatística disponibilizou técnicos para os ministérios dos Petróleos e da  Indústria e, para os próximos tempos, vai enviar outros para os sectores da Educação e da Saúde, entre outros, para uma informação mais robusta.
As últimas contas nacionais elaboradas referem-se a 2015 e foram publicadas em 2016.

Censo de estabelecimentos
De acordo com Camilo Ceita, o INE pretende realizar, depois do Inquérito Agropecuário, o Recenseamento Empresarial e de Estabelecimentos, cujo projecto já tem financiamento garantido. Camilo Ceita adiantou que não há razões que impeçam a realização desse inquérito, porquanto o Instituto Nacional de Estatística já tem o ficheiro empresarial nacional.
O director-geral do INE recordou que o último recenseamento de empresas foi realizado  em 2003. “Já é tempo de se efectuar outro inquérito”, sublinhou.
 Além destes censos, o Instituto Nacional de Estatística vai fazer o inquérito do sector de construção, que vai servir para melhorar as contas nacionais, considerando-o “um indicador muito importante relacionado com o crescimento da economia e do PIB.”
Para isso, a instituição vai fazer a primeira recolha de informações sobre todas as licenças de obras públicas e privadas que existem e depois fazer um inquérito continuado de um ano para ver a evolução ou não, para depois submeter as contas nacionais.

Estatísticas fiáveis
Durante o fórum do Dia Africano de Estatística, celebrado com o tema “Vidas melhores com melhores estatísticas económicas”, Camilo Ceita assinalou que estatísticas fiáveis  devem reflectir a realidade diária.
O director do INE salientou que toda a informação estatística deve servir para fornecer os elementos necessários para o progresso e acompanhamento das políticas de desenvolvimento.
Camilo Ceita explicou que os recenseamentos servem também para melhorar a transparência e a responsabilidade no desenvolvimento de políticas públicas, duas condições essenciais para a boa governação, porque permitem, aos habitantes, avaliar e julgar o sucesso das medidas tomadas através dos programas e projectos implementados ou a implementar pelo Governo.
Sem esta realidade, sublinhou, os países podem sofrer alguma incapacidade analítica e decisória e, consequentemente, ficar impedidos de responder aos seus habitantes sobre o impacto das acções no combate à pobreza, desigualdades e aos disfuncionamentos sociais, económicos, ambientais e demográficos.
O INE apresentou ao público os resultados de produtos estatísticos, no quadro das comemorações do Dia Africano da Estatística, assinalado a 18 do corrente mês.Sob o tema “Vidas melhores com melhores estatísticas económicas”, o fórum promoveu o diálogo entre os produtores e utilizadores de informação estatística oficial no país. O fórum aumentou a consciencialização entre os decisores e os parceiros técnicos.

Tempo

Multimédia