Política

Reclusos transferidos de Luanda para o Cunene

Alguns reclusos da província de Luanda são transferidos, nos próximos meses, para os estabelecimentos prisionais de Bentiaba, no Namibe, e Peu-Peu, no Cunene, informou sexta-feira o secretário de Estado para o Serviço Penitenciário.

Bamóquina Zau esteve no Namibe e Cunene
Fotografia: José Soares

José Bamóquina Zau, que visitou as províncias do Namibe e Cunene, justificou a decisão com a necessidade de diminuir a superlotação nas cadeias da capital do país. “Vamos transferir pontualmente presos para as província do Cunene e do Namibe. Pensamos que vai minimizar alguns problemas que Luanda está a passar por atingir níveis de superlotação nas cadeias”, disse o secretário de Estado.
De acordo com dados do Serviço Penitenciário, estão internados nos 40 estabelecimentos prisionais do país 24 mil reclusos, sendo 13 mil condenados e 11 mil detidos. Dos 24 mil reclusos em todo o país, oito mil estão em Luanda.
A transferência de alguns reclusos de Luanda para a província mais a sul do país, esclareceu Bamóquina Zau, permite a reabilitação do antigo estabelecimento prisional do Cunene, construído no tempo colonial, bem como o aproveitamento das 350 vagas disponíveis na nova cadeia, com capacidade para 1.500 reclusos.
Bamóquina Zau lembrou que a antiga cadeia sofreu com as consequências da guerra, e vai ter uma pequena intervenção pontual para oferecer aos reclusos melhores condições de acomodação e possibilidade  de serem inseridos em actividades sociais. Localizado a 123 quilómetros da cidade de Ondjiva, o Centro Prisional do Peu-Peu tem 1.049 reclusos entre presos e detidos. Durante a sua estada na província do Cunene, o secretário de Estado do Serviço Penitenciário manteve encontros com o vice-governador para o Sector Político e Social, José do Nascimento Veyelenge, e com membros do conselho consultivo do Ministério do Interior.
Um dia antes, Bamóquina Zau visitou o Centro Prisional de Bentiaba, a 150 quilómetros a norte da cidade do Namibe e que deve receber nos próximos dias 1.500 reclusos das cadeias de Luanda. Na ocasião, defendeu o reforço do efectivo do Serviço Penitenciário em Bentiaba.

Tempo

Multimédia