Política

Relações com a Itália históricas e vigorosas

Kumuênho da Rosa e Adalberto Ceita |

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, recebeu ontem em audiência, no Palácio da Cidade Alta, a ministra da Defesa de Itália, Roberta Pinnoti, que se encontra em Angola em visita de trabalho.

Presidente José Eduardo dos Santos recebeu mensagem do seu homólogo de Itália Sérgio Mattarella
Fotografia: Rogério Tuti

Acompanhada pelo homólogo, João Lourenço, Roberta Pinnoti foi portadora de uma mensagem de saudações do Presidente Sérgio Mattarella ao Chefe do Estado angolano. “O Presidente italiano enviou cumprimentos ao Presidente José Eduardo dos Santos e manifestou a sua disponibilidade em visitar Angola o mais breve possível”, disse.
Em declarações à imprensa, após a audiência, Roberta Pinnoti considerou que, além de históricas, as relações entre Angola e Itália são óptimas e atravessam uma das suas melhores fases. “Para o actual vigor das relações bilaterais foi determinante a visita do primeiro-ministro, Matteo Renzi, a Angola, em Julho de 2014, retribuída precisamente um ano depois pelo Presidente José Eduardo dos Santos.”
No que respeita à cooperação no sector da Defesa, a ministra italiana destacou o acordo assinado em 2013, que ganhou um novo impulso com a troca de visitas ao mais alto nível. “A visita do ministro da Defesa de Angola à Itália e a minha visita hoje a Angola, seguramente vão dar outro vigor aos projectos delineados no passado.” A cooperação no sector da Defesa envolve projectos ligados à formação em matéria de saúde no ramo militar e à fiscalização e vigilância marítimas, especialmente para o sector energético. Roberta Pinnoti disse preferir que todos os projectos  sejam encarados numa perspectiva de conjunto, numa “relação estável e duradoura entre dois Estados”.
Segundo fonte da diplomacia italiana, a visita de Roberta Pinnoti a Angola foi agendada de modo a coincidir com a realização, em Luanda, da Conferência Internacional sobre Segurança Marítima e Energética no Golfo da Guiné, que ficou no entanto adiada para Outubro próximo.
A ministra italiana reafirmou o apoio do seu país ao evento internacional que Angola vai acolher, pois entende ser “muito importante para a segurança marítima para a região e para o mundo”.
Tal como o fizera já o primeiro-ministro Matteo Renzi, quando esteve em Luanda, Roberta Pinnoti garantiu o pleno apoio da Itália. “Angola pode contar com o apoio italiano, quer técnico quer político, e estamos presentes e abertos a contribuir nas decisões que saírem desse importante fórum.” O ministro da Defesa, João Lourenço, disse que a cooperação entre Angola e Itália é excelente, o que se confirma com a presença da sua homóloga em Luanda. “Essa visita cria condições para começarmos a materializar os projectos que foram negociados em Roma.”

Assinatura da acta

O ministro da Defesa Nacional, João Lourenço, considerou a visita da sua homóloga italiana, Roberta Pinotti, é o início da materialização dos entendimentos alcançados em Roma, aquando da visita oficial do Presidente José Eduardo dos Santos à Itália este ano.
Em declarações à imprensa no final das conversações entre delegações dos Ministérios da Defesa dos dois países, que culminou com a assinatura de uma acta, João Lourenço afirmou que Angola pretende estabelecer uma cooperação militar em todos os domínios, particularizando o sector da Marinha de Guerra, com vista à segurança da costa angolana e, de uma forma geral, da região do Golfo da Guiné.
O ministro referiu que foi tida em consideração a formação dos militares e a possibilidade de implantação da indústria de Defesa em território angolano. “Vamos procurar explorar ao máximo todas as áreas que forem possíveis e que beneficiem a Defesa e Segurança do país”, disse. Roberta Pinotti afirmou que a assinatura da acta cria condições para reforçar a cooperação no ramo da Marinha de Guerra e Saúde Militar. Está prevista a formação de cadetes em instituições de ensino em Itália.

Tempo

Multimédia