Política

Rússia quer alargar a cooperação na formação dos jovens

André Sibi

O embaixador da Rússia em Angola, Vladimir Tararov, sugeriu no domingo, em Luanda, que relações entre os dois países não se circunscrevam apenas ao sector militar, mas que sejam alargadas a domínios como a formação técnico-profissional da juventude e ao Ensino Superior.

Embaixador da Rússia em Angola, Vladimir Tararov
Fotografia: Angop

O diplomata fez estas declarações ao Jornal de Angola, durante um almoço de cortesia oferecido pelo recém-empossado presidente da Associação de Ex-estudantes na União Soviética e Comunidades de Estudantes Independentes, João da Cruz Fonseca, numa das unidades turísticas de Cabo Ledo.
“Para o actual contexto, além da formação militar, que é tradicional nas relações diplomáticas entre os dois Estados, a meta é apostar nos segmentos da formação técnico- profissional, Ensino Superior, Indústria e Cultura”, defendeu Vladimir Tararov.
O embaixador russo lembrou que, com o alcance da paz e reconciliação nacional, Angola está acrescer e os indicadores do último censo populacional mostram que 55 por cento da população angolana tem menos de 14 anos de idade. Daí, sublinhou, a necessidade de uma nova estratégia para esta geração de angolanos.
Questionado sobre o volume de negócios entre os dois países, o embaixador russo admitiu que o mesmo não é significativo. Vladimir Tararov tranquilizou, no entanto, que existem contactos entre empresários angolanos e homólogos russos, para mudar o actual contexto prevalecente.
O diplomata garantiu que, numa primeira fase, devem ser reforçadas as relações comerciais entre os dois Estados, com a construção de centros de manutenção de helicópteros. Mais tarde, acrescentou, vão ser introduzidos outros segmentos, que podem mudar o actual contexto em termos de volume de negócios entre os dois países.
A criação de peixe, disse o embaixador, constitui igualmente outro segmento de negócio que as partes querem colocar em marcha.

Tempo

Multimédia