Política

Subestações custaram 6 milhões de dólares

O custo unitário das três subestações de energia eléctrica na cidade do Huambo, inauguradas, terça-feira, pela governadora da província, Joana Lina, é de seis milhões de dólares, esclareceu em nota a ENDE (Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade).

Fotografia: Angop

Segundo a nota, ao contrário do que publicou o Jornal de Angola, na edição de 18 de Setembro, página 3, as três subestações de 50 megawatts cada não custaram aos cofres do Estado 60 milhões de dólares a unidade.
“O custo unitário dessas subestações está na ordem de 6 milhões de dólares, sendo que os 60 milhões de dólares referidos correspondem ao custo total do projecto, que além dessas três subestações, inclui também 100 postos de transformação, cerca de 220 quilómetros de rede de alta, média e baixa tensão, 17.500 ligações domiciliares com os respectivos contadores pré-pagos e 2.500 pontos de iluminação pública”, refere a nota enviada ao Jornal de Angola.
O documento lembra que actualmente a ENDE tem na província do Huambo 69.682 clientes, dos quais 20 mil pertencem a circunscrição administrativa de Cambiote e da zona industrial da Chiva.
As subestações têm, cada uma, potência para transformar e distribuir 50 megawatts, 40 dos quais já disponíveis. Erguidas em 18 meses por uma empresa chinesa, as três subestações eléctricas vão permitir efectuar 48 mil ligações (16 mil para cada uma).
Constam da execução do projecto de electrificação e ligações domiciliares da cidade do Huambo e arredores, cujos contratos foram assinados em 2016.

Tempo

Multimédia