Política

Supressão de vistos a cidadãos de Cabo Verde

Bernardino Manje

Cidadãos cabo-verdianos titulares de passaportes ordinários que queiram viajar para Angola estarão, brevemente, isentos de apresentar vistos às autoridades migratórias, anunciou ontem, em Luanda, o ministro dos Negócios Estrangeiros e das Co-munidades de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, durante uma conferência de imprensa de balanço à sua visita de trabalho de quatro dias à capital angolana.

Supressão de vistos a cidadãos de Cabo Verde
Fotografia: Dombele Bernardo|Edições Novembro

O chefe da diplomacia cabo-verdiana, que foi recebido na manhã de ontem pelo Presidente da República, João Lourenço, disse ter recebido garantias do homólogo angolano, Manuel Augusto, de que o Chefe de Estado angolano vai assinar um decreto em que autoriza a supressão de vistos nos passaportes ordinários de cidadãos cabo-verdianos, à semelhança do que já acontece com os angolanos que queiram visitar Cabo Verde.
Luís Filipe Tavares considerou isso “um ganho muito importante”, bem como “um gesto de amizade e de solidariedade muito grande”. Segundo ele, os cabo-verdianos já podem dizer 'conseguimos trabalhar bem com as autoridades angolanas'. Luís Filipe Tavares, que acumula igualmente a pasta de ministro da Defesa de Cabo Verde, referiu-se igualmente às conversações havidas ontem entre as delegações das diplomacias dos dois países, na sede do Ministério das Relações Exteriores de Angola.
Segundo o ministro cabo-verdiano, as conversações que abarcaram vários assuntos, como a retoma dos voos entre Angola e Cabo Verde, a cooperação técnico-empre-
sarial na área da administração territorial, na reforma do Estado e nas tecnologias de informação e comunicação, agricultura e turismo, vão contribuir para o reforço da cooperação e da amizade entre os dois países.
Luís Filipe Tavares admitiu que o turismo é uma área prioritária na cooperação entre Angola e Cabo Verde, mas deixou claro que os dois países vão trabalhar para desenvolver todas as áreas possíveis.
Angola é, para Cabo Verde, um país estratégico, declarou o chefe da diplomacia cabo-verdiana, sustentando que, nas nossas relações com África e o mundo, Angola é parceira estratégica de Cabo Verde. “Disse esta manhã ao Presidente da República que queremos trabalhar para consolidar as nossas relações interpessoais, entre as instituições e os dois países. O Governo de Cabo Verde tudo fará para estreitar as relações com Angola. Angola quer trabalhar com Cabo Verde para que tenhamos uma concertação estratégica sobre as grandes questões africanas, mas também no quadro das Nações Unidas”, disse o ministro.
Angola na ONU
Cabo Verde quer voltar a ver Angola como membro do Conselho de Segurança das Nações Unidas. O ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros e das Comunidades disse ter manifestado este desejo ao Chefe de Estado angolano, João Lourenço, durante a audiência por si concedida. “Manifestamos, hoje, ao Senhor Presidente da República o nosso desejo de ver Angola a ocupar cargos de grande responsabilidades a nível internacional, mesmo no quadro das Nações Unidas. Angola deve ter um lugar no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Há vários países pretendentes, mas pensamos que Angola pode e deve desempenhar um papel importante neste sentido”, defendeu Luís Filipe Tavares.Segundo o ministro ca-bo-verdiano, caso Angola se candidate a membro do Conselho de Segurança das Nações Unidas, como representante de África, terá em Cabo Verde “um parceiro seguro, estratégico e importante” para trabalhar na mobilização de outros países africanos de expressão portuguesa, da CPLP e CEDEAO, por exemplo.
Luís Filipe Tavares afirmou que o apoio de Cabo Verde seria uma forma de agradecer a ajuda que Angola prestou ao arquipélago, desde antes da independência, e que continua a prestar ainda hoje. “Sempre contamos com a solidariedade do povo angolano, não só nas horas difíceis, mas também nos bons momentos. Como não somos ingratos, reconhecemos isso. Por isso, queremos selar essa relação com mais amizade, mais solidariedade e mais presença”, disse.
O ministro disse ter tido, no domingo, um encontro com a comunidade cabo-verdiana residente em Angola, que diz ser bem tratada e que sente como se estivesse em Cabo Verde. “Manifestei às autoridades angolanas toda a nossa disponibilidade para trabalhar com Angola e aprofundar as relações que já são excelentes”, frisou Luís Filipe Tavares, que deixa hoje Luanda.

  Presidente recebe mensagem do homólogo Jorge Carlos Fonseca

Um convite do Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, para o Chefe de Estado angolano, João Lourenço, visitar aquele país, em Julho, foi entregue ontem no Palácio Presidencial da Cidade Alta pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Comunidades e da Defesa, Luís Filipe Tavares.
À saída do encontro, Luís Tavares informou à imprensa que transmitiu ao Estadista angolano um convite do homólogo cabo-verdiano, para visitar a República de Cabo Verde e participar na Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que o país insular acolhe em Julho deste ano.
Quanto às relações de cooperação entre os dois países, referiu que o Governo que representa pretende aprofundar os laços bilaterais já existentes, com realce aos sectores económico e empresarial, sobretudo, nos subsectores das pescas, do turismo, dos transportes marítimos e aéreos.
 É nesse quadro que Cabo Verde pretende a retomada das ligações aéreas entre as duas capitais. A intenção é que Angola seja para Cabo Verde um parceiro estratégico em África e mantenha a cooperação no domínio da defesa e segurança, e desta forma continuar a formar oficiais cabo-verdianos em estabelecimentos de ensino militar das Forças Armadas Angolanas (FAA).
No domínio da educação, Luís Tavares confirmou existir um pedido de Angola para o envio de professores cabo-verdianos, uma acção que deverá relançar a cooperação no domínio da educação.

Tempo

Multimédia