Política

UAN vai formar técnicos do Tribunal de Contas

Kátia Ramos

Pelo menos 35 funcionários do Tribunal de Contas vão efectuar, a partir deste ano lectivo, a iniciar em Fevereiro, um curso de pós-graduação em Contabilidade Pública, na Universidade Agostinho Neto, graças a um memorando de entendimento assinado, sexta-feira, em Luanda entre aquele órgão judicial e a instituição de ensino superior.

Exalgina Gamboa, pelo Tribunal de Contas, e Redento Maia, pela UAN, assinaram o acordo
Fotografia: João Gomes | Edições Novembro

O memorando visa a implementação do curso de pós-graduação, na especialização em Contabilidade Pública, abarcando matérias sobre ciências económicas, estruturado em conteúdos programáticos, concertados entre as duas instituições, apenas para formar funcionários do Tribunal de Contas.
A iniciativa acontece no âmbito da política de formação de quadros, como um dos principais eixos do plano estratégico 2020-23 do Tribunal de Contas, já em fase de execução.
A Juíza Conselheira e presidente do Tribunal de Contas, Exalgina Gamboa, disse na ocasião que o acto vem dar início à cooperação técnica e científica com a Universidade Agostinho Neto, com um ciclo de formação para os técnicos daquela instituição judicial, que no futuro serão auditores, certificados de acordo com as regras internacionais.
Exalgina Gamboa, fez saber que a iniciativa começa com um ciclo de pós-graduação, em contabilidade pública e à posterior sequência, vai culminar com um ciclo de certificação dos auditores do Tribunal de Contas, com base nos requisitos internacionais.
Segundo a juíza, o acto enquadra-se no plano director dos Recursos Humanos, com um horizonte de quatro anos, com metas específicas de formação para os funcionários do Tribunal de Contas e capacitá-los para as actividades sujeitas.
O órgão, no entender da juíza Exalgina Gamboa, espera por parte dos formandos maior empenho, com domínio do plano de contas das entidades públicas, do cálculo e análise financeira, matérias a serem ministradas que irão contribuir para a melhoria do trabalho técnico de análise das mais de 2000 mil prestações de contas.
A formação vai ainda permitir a condução de processos de auditorias, que se apresentam cada vez mais complexas, e, por conseguinte, o rigor técnico e científico, como um dos valores do plano estratégico do Tribunal de Contas que deve ser preservado.
“É desta forma que estaremos a trabalhar, para a melhoria da eficiência e da eficácia do controlo das finanças públicas, bem como a promoção necessária da valorização dos Recursos Humanos”, salientou.
A juíza espera da Coordenação Científica do curso, na universidade Agostinho Neto, o melhor em termos de conteúdos pedagógico e selecção do corpo docente que terá aulas práticas de estudos dos casos da administração pública angolana e das matérias ligadas à processos autuados no Tribunal.
O decano da Faculdade de Economia da Universidade Agostinho Neto, Redento Maia, disse que o país vive uma das fases mais exigentes da sua história, fruto de uma combinação complexa de factores externos e internos, de recessão económica e de restrições financeiras severas, que exigem do agente público sentido de responsabilidade e capacidade de descoberta e soluções para os desafios.
Redento Maia, realçou que a Faculdade de Economia da UAN está ciente da crucial importância do órgão para a transição económica e de mentalidades que o país necessita concluir.
O académico referiu, na sua intervenção, que a Faculdade de Economia da Universidade Agostinho Neto tem um compromisso no desenvolvimento da sociedade angolana, “inquebrantável, permanente e com responsabilidade”, razão pela qual a instituição leva a cabo ofertas formativas de excelência reconhecida
A Universidade Agstinho Neto, a primeira instituição de ensino superior no país, comemora em breve, 50 anos de existência, tendo a Faculdade de Economia formado mais de quatro mil licenciados, 120 mestres e vai, nos próximos dias,graduar os seus primeiros doutores, em várias áreas.

Tempo

Multimédia