Política

UNITA vai averiguar reclamação dos alegados vícios no IV Congresso da LIMA

Hélder Jeremias

A UNITA vai instaurar um processo interno de averiguação dos alegados vícios denunciados por uma das candidatas à liderança da organização feminina, LIMA, no final do IV Congresso Ordinário, realizado na sexta-feira e sábado.

Secretário-geral da UNITA, Álvaro Daniel,
Fotografia: DR

No conclave, a deputada Helena Bonguela Abel foi reconduzida no cargo de presidente da LIMA, mas a segunda candidata mais votada, Manuela dos Prazeres Cazoto, contestou os resultados. O secretário-geral da UNITA, Álvaro Daniel, disse, ontem, em conferência de imprensa, em Luanda, que durante o congresso não houve qualquer queixa sobre indícios de vícios.

No entanto, garantiu que as inquietações apresentadas por Manuela dos Prazeres, durante a divulgação dos resultados, vão ser analisadas, de forma a aferir a veracidade e garantir a lisura do processo. Para Álvaro Daniel, Manuela dos Prazeres pecou por não ter utilizado os meios apropriados para apresentar a reclamação, mas considera que a reacção é “prova inequívoca do carácter democrático” que norteia a UNITA, na qual “os membros podem se exprimir como e quando quiserem”.

O secretariado geral da UNITA felicitou a organização feminina e todas as estruturas que conjugaram esforços que permitiram a materialização do IV Congresso da LIMA, não obstante a situação de distanciamento social e de cercas sanitárias que visam reduzir a propagação da pandemia da Covid-19 no país.

Segundo Álvaro Daniel, o secretariado geral da UNITA acompanhou “com empenhada atenção todas as actividades inerentes à realização do conclave, desde a fase preparatória até à realização”, tendo prestado todos os apoios essenciais que conduziram a sua efectivação e ao êxito, não obstante os constrangimentos de ordem objectiva e transversal, relacionados com a pandemia da Covid-19.

Tempo

Multimédia