Política

UNITA avança com centros para formação de ex-militares

Bernardino Manje |

O candidato da UNITA a Presidente da República prometeu ontem criar centros de formação profissional e de artes e ofícios para os antigos combatentes e veteranos da Pátria, para que estes não fiquem dependentes das suas pensões que considerou irrisórias.

Isaías Samakuva defende aumento das pensões
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

Isaías Samakuva falava no complexo do seu partido, em Viana, Luanda, durante um encontro com antigos combatentes das extintas FAPLA, ELNA e FALA, no quadro da campanha para as eleições do dia 23 deste mês. O também presidente da UNITA defendeu que os antigos combatentes e veteranos da Pátria não devem depender exclusivamente das suas pensões mensais, que em alguns casos são de apenas dez ou 12 mil kwanzas.
“Como é que estes compatriotas vão sobreviver com este dinheiro?”, questionou Samakuva, antes de avançar as linhas de força de um eventual Governo da UNITA no que se refere aos antigos combatentes e veteranos da Pátria.
O político, que partiu ainda ontem para a província do Zaire, disse existirem antigos combatentes que nem sequer foram desmobilizados, e por isso não recebem as pensões a que têm direito.
Com a formação profissional ou artes e ofícios, disse, os antigos combatentes poderão criar os seus próprios negócios ou pequenas empresas, que também vão contribuir para empregar mais pessoas.
Isaías Samakuva apelou por isso aos presentes para votarem na UNITA, que em caso de vitória pretende criar um Governo Inclusivo e Participativo (GIP). “O GIP é algo real porque não vamos olhar para a origem das pessoas. É neste âmbito que estão aqui antigos combatentes não só das extintas FALA, mas também do ELNA e das FAPLA. Com o GIP, o país vai andar melhor e a vida dos cidadãos vai melhorar significativamente”, assegurou. No encontro, intervieram alguns antigos combatentes que prometeram o voto na UNITA.

 

Tempo

Multimédia