Política

UNITA escolhe 2019 para exaltar Savimbi

A UNITA declarou 2019 como “ano da consagração da memória” do fundador Jonas Savimbi, morto em combate em 2002, indica o partido em comunicado divulgado ontem.

Fotografia: DR

A decisão vem expressa no comunicado da primeira reunião do secretariado executivo do Comité Permanente da UNITA, orientada pelo presidente do partido, Isaías Samakuva.
“Para dar cumprimento à resolução da IV Reunião Ordinária da Comissão Política, realizada em Dezembro último, segundo a qual os anos devem passar a ser dedicados a um objectivo, programa ou acontecimento relevante à vida do partido, como era tradição num passado não muito distante, o secretariado-geral do partido foi orientado no sentido de dar a devida divulgação à decisão que dedica o ano de 2019 à consagração da memória de Jonas Savimbi”, lê-se no comunicado.
A decisão surge como “resposta às críticas” feitas a 21 de Dezembro último pelo Presidente João Lourenço, que referiu que o Governo está preparado para, “a qualquer momento”, exumar os restos mortais do líder fundador da UNITA e transladá-los para onde a família e o partido da oposição entenderem, denunciando o “silêncio” do maior partido da oposição.
Durante uma conferência de imprensa, João Lourenço sublinhou não perceber a insistência da UNITA, quando é o próprio partido que está a “vacilar” nessa vontade.
“Estamos preparados para, a qualquer momento, depositar os restos mortais de Jonas Savimbi onde quiserem. Mas a UNITA pede-nos calma. Muitas famílias gostariam da ajuda do Estado para localizar, exumar e transladar os familiares que morreram durante o conflito angolano, entre 1975 e 2002”, afirmou o Chefe de Estado.
Em declarações à Lusa, em Dezembro último, o porta-voz da UNITA, Alcides Sakala, indicou que os restos mortais de Jonas Savimbi, que se encontram sepultados à guarda do Governo angolano próximos de Lucusse, na província do Moxico, onde foi abatido durante a guerra civil, só serão exumados em 2019.

Sem honras de Estado
Os restos mortais do antigo líder da UNITA serão exumados sem honras de Estado, declarou quarta-feira, em Luanda, o  ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República.
Pedro Sebastião anunciou o facto à imprensa, à margem da reunião da Comissão de Apoio ao Conselho de Segurança Nacional de Combate à Imigração Ilegal e Tráfico Ilícito de Diamantes. O ministro confirmou que as condições para a exumação dos restos mortais de Jonas Savim-bi estão criadas.
“Não se tratará de um funeral oficial”, afirmou Pedro Sebastião. Argumentou que “quando o antigo líder da UNITA faleceu não pertencia à família governamental”.
Pedro Sebastião precisou que não existem razões para se fazer paralelismos com o funeral de Estado dado ao general Arlindo Chenda Pena “Ben-Ben”, antigo chefe-adjunto do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA).
Na quarta-feira, o vice-presidente da UNITA, Raul Danda, afirmou que o seu partido “não solicitou funeral com honras de Estado”, acrescentando que os militantes exigem, somente, a entrega dos restos mortais à família.

Tempo

Multimédia