Política

UNITA quer revisão dos preços das casas

A direcção da UNITA na província da Lunda-Norte manifestou-se ontem insatisfeita com os “elevados preços” dos apartamentos da centralidade do Dundo, praticados pela IMOGESTIN, empresa responsável pela venda dos imóveis construídos pelo Estado.

Miraldina Jamba acompanhou os trabalhos
Fotografia: Victorino Matias | Edições Novembro

O secretário provincial do maior partido da oposição, Domingos Oliveira, que pronunciou-se sobre o assunto, durante a reunião ordinária da organização política, disse não haver necessidade de se estipular preços exorbitantes dos apartamentos, atendendo que a construção da centralidade foi feita com os fundos do Estado.
“O Estado não precisa fazer candonga para obter lucros”, afirmou o político, que reivindicou a falta de medicamentos nas principais unidades hospitalares da província e lamentou a fraca qualidade do ensino por insuficiência  de professores qualificados.
A superlotação das salas de aulas, com maior destaque  para as escolas do ensino primário, preocupa, também, o secretário da UNITA na Lunda-Norte.
Para Domingos Oliveira as potencialidades   existentes em termos de recursos mineiros, hídricos e solos férteis para o fomento da produção agrícola na província contrasta com o nível “bastante acentuado” de pobreza nas comunidades.

Tempo

Multimédia