Política

Vice-Presidente avalia potencial de Benguela

Gabriel Bunga e Maximiano Filipe | Benguela

O Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, reconheceu ontem, em Benguela, que há um grande interesse da população do município da Baía Farta na resolução dos problemas locais.

Visita serviu para ver de perto os desafios da indústria local para desenvolver a província
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Bornito de Sousa falava à imprensa à saída de um encontro do Conselho de Auscultação da Comunidade que decorreu no município da Baía Farta. 

“Podemos sair daqui com o sentido de que há um interesse, há um grande envolvimento da população para resolver os problemas locais”, disse, sublinhando que ouviu as preocupações dos representantes de igrejas, partidos políticos com assento parlamentar, autoridades tradicionais, juventude e empresários.
Bornito de Sousa constatou na Baía Farta o potencial das empresas de pescas e da indústria do sal.
“Constatámos o grande potencial que este município tem, sobretudo no Turismo e na Agricultura. Portanto, há boas perspectivas e grande interesse da comunidade local em desenvolver o município e, sobretudo, um grande empenho da juventude”, disse.
O Vice-Presidente da República auscultou ontem os munícipes da Baía Farta sobre os problemas que vivem. Participaram no encontro representantes de partidos políticos, igrejas, empresários, autoridades tradicionais e das organizações da sociedade civil.
Na sessão de abertura do encontro, o administrador municipal da Baía Farta, José Ferreira, apresentou os aspectos sociais, administrativos e demográficos do município. O administrador disse que a Baía Farta necessita de 210 novas salas de aula, a conclusão das obras do hospital municipal para reduzir a superlotação do Hospital Geral de Benguela, construção de novos centros de saúde, vias de acesso que ligam as comunas da Kalohanga, Equimina e a orla marítima sul à sede do município.
José Ferreira disse que o município da Baía Farta necessita ainda de desassorear os rios Cuporolo, na comuna do Dombe Grande.
“As consequências têm sido nefastas, porque provocam o isolamento da povoação do Luacho e zonas ribeirinhas, destruição de campos agrícolas, interrupção das aulas, dificuldades de assistência médica, entre outras”, disse.
O administrador disse também ser necessário desassorear os rios Cimo e Pima, na comuna da Equimina e na sede da Baía Farta, respectivamente. O município da Baía Farta, disse, necessita de 221 professores do ensino primário e 120 do ensino secundário do I e II ciclos, 20 médicos, 249 profissionais de enfermagem, 102 técnicos de saúde e 180 técnicos administrativos.
O município da Baía Farta necessita ainda de um aumento da capacidade de rede de distribuição de água potável, electrificação das comunas do Dombe Grande, Kalohanga e Equimina, do fomento de financiamento de micro, pequenos e médios projectos, segundo o administrador.
Antes de orientar o Conselho de Auscultação Social, o Vice-Presidente da República visitou a “Cidade do Sal” - Chamume - e as salinas de Colombolo.
No quadro da sua visita de trabalho, Bornito de Sousa recebeu em audiência colectiva os agentes de desenvolvimento comunitário e sanitário e visitou as casas da Juventude e dos Desportos.

Apelo à juventude

O Vice-Presidente da Republica exortou a juventude da Baía Farta a reforçar o espírito de dedicação e amor ao trabalho, “como ferramenta bastante acertada para contribuir para o desenvolvimento do país e da província em particular”.
Bornito da Sousa fez o apelo durante a visita que efectuou à empresa de produção de pescado Alvafishing, cuja mão-de-obra é composta maioritariamente por jovens. Durante a visita, o Vice-Presidente constatou, também no seio dos trabalhadores afectos à empresa, a presença de um cidadão com mais de 50 anos, antigo funcionário da Alvafishing, dotado de elevada experiência no domínio da actividade pesqueira.
O sócio-gerente da empresa, Álvaro Pedrosa Eugénio, disse que a visita do Vice-Presidente da República permite aos empresários apresentar os reais problemas e as boas acções em curso, de modo a serem conhecidas e apoiadas pelo Executivo.

Tempo

Multimédia