Política

Visitas aos reclusos serão interditadas

André da Costa | Luanda Leonor Mabiala | Cabinda

As visitas aos reclusos dos estabelecimentos prisionais serão restringidas para a prevenção do coronavírus, anunciou o director Nacional de Saúde do Serviço Penitenciário, comissário Manuel dos Santos.

Fotografia: DR

Em declarações à im-prensa, à margem das co-memorações do 41º aniversário do Serviço Penitenciário, assinalado ontem, Manuel dos Santos frisou que o evoluir da situação vai definir o corte temporário das visitas dos familiares aos estabelecimentos prisionais.

O director Nacional de Saúde do Serviço Penitenciário assegurou que têm cumprido com todas as orientações da Comissão Interministerial para a prevenção do coronavírus, mas reconheceu que a superlotação das cadeias constitui um dos constrangimentos na prevenção do Covid-19.
"É um pouco difícil, mas estamos a fazer o possível para que não haja a penetração da doença nos estabelecimentos peniten-
ciários", disse, acrescentando que os estabelecimentos prisionais estão a cumprir com as regras básicas de higiene, como a lavagem constante das mãos com água e sabão.
Manuel dos Santos disse haver dificuldades para a aquisição de máscaras de protecção para os mais de 20 mil reclusos. Alguns efectivos, acrescentou, estão a usar máscaras, enquanto outros aguardam pela aquisição e distribuição dos equipamentos aos órgãos de defesa e segurança pelo Mi-nistério da Saúde.
O director Nacional de Saúde do Serviço Penitenciário referiu que as doenças mais frequentes nos estabelecimentos prisionais do país são o paludismo, diarreicas agudas, tuberculose, sendo que a medicação dos doentes está assegurada.

Plano Estratégico

O Serviço Penitenciário do Ministério do Interior está a elaborar um plano estratégico que visa a realização de várias palestras para sensibilizar os reclusos sobre o coronavírus, anunciou ontem, em Luanda, o director-geral da instituição.
O comissário prisional principal Bernardo do Amaral Gourgel, que falava por ocasião das festividades do 41º aniversário do Serviço Penitenciário, explicou que o plano de sensibilização sobre o Covid-19 inclui, também, os familiares dos reclusos e os efectivos daquele órgão do Ministério do Interior, com vista a observância das medidas de prevenção da pandemia que assola vários países do mundo.
Bernardo do Amaral Gourgel sublinhou que os 41 anos de existência do Serviço Penitenciário deve servir para reflectir sobre o papel essencial que este órgão do Ministério do Interior desempenha, no cumprimento das premissas que passam pela humanização, reabilitação e reintegração de indivíduos em conflito com a lei.
O director fez saber que o actual quadro económico que o país enfrenta, exige mais entrega dos efectivos nas obrigações quotidianas, com investimento na capacitação do homem, no que concerne às técnicas e práticas de produção agro-pecuária, visan-
do desenvolver o servidor penitenciário.

Disciplina e Organização

O director provincial dos Serviços Penitenciários em Cabinda, Júlio Correia Neto, exortou, ontem, os efectivos a respeitarem as normas de disciplina e organização, para permitir uma reabilitação e ressocialização eficaz dos reclusos.
O comissário prisional, que falava por ocasião do aniversário do Serviço Pe-nitenciário, que decorreu sob o lema “41 anos firme na humanização, consolidemos o sistema produtivo penitenciário”, afirmou que os efectivos estarão a assim a contribuir para que o nível de confiança seja elevado cada vez mais.
De referir que o Serviço Penitenciário em Cabinda controla um total de 563 presos, dos quais 275 detidos, 288 condenados, sendo 154 cidadãos da República De-mocrática do Congo.

Tempo

Multimédia