Províncias

Administração local está preocupada com a valorização social da criança

Maria Candeia | Kuito

O governador da província do Bié, em exercício, Andrade Adolfo, reafirmou ontem, na cidade do Kuito, que o governo local vai continuar a desenvolver esforços para resolver os problemas que afligem as crianças daquela região.

Pessoas de boa fé envolvidas na inserção de crianças na vida socialmente útil
Fotografia: JA

O governador da província do Bié, em exercício, Andrade Adolfo, reafirmou ontem, na cidade do Kuito, que o governo local vai continuar a desenvolver esforços para resolver os problemas que afligem as crianças daquela região.
Adolfo Andrade, que falava no acto de abertura do “Conselho Provincial da Criança”, sublinhou que a resolução das principais dificuldades das crianças é uma prioridade absoluta do governo angolano e, em particular, da província do Bié, em função dos 11 compromissos assumidos pelo executivo.
Recordando que os direitos das crianças estão configurados na actual lei constitucional, bem como nos ante-projectos da futura lei da constituição da nação angolana, reconheceu que os seminários de capacitação, realizados o ano passado em todos municípios da província, possibilitou à população conhecer e aplicar, com maior propriedade, os 11 compromissos da criança.
O responsável exortou aos participantes do seminário no sentido de aprofundarem os seus conhecimentos durante o encontro, para possibilitar subsídios aceitáveis no melhoramento de vida das crianças.
A Conselheira Nacional da Criança (CNAC) no país, Teresa Spinolar, disse que o principal objectivo do evento reside na orientação das actividades que devem ser desenvolvidas com os conselhos das províncias do país.
Teresa Spinolar afirmou que a instituição vai transmitir as premissas para a defesa das crianças em todos municípios do território nacional, bem como esclarecer as questões que têm a ver com a implementação dos compromissos da criança.
Durante o encontro, no qual participaram membros das Nações Unidas e do governo local, autoridades tradicionais e sociedade civil, foram abordados assuntos como o mandato e papel do CNAC a nível central e local e a apresentação do plano Bienal. tias da Costa

Tempo

Multimédia