Províncias

Administradores denunciam abate de árvores em florestas

Arão Martins | Chicomba

O abate anárquico de árvores para abertura de campos agrícolas e produção de carvão tem sido uma prática recorrente nos municípios de Caconda, Caluquembe e Chicomba. A denúncia foi apresentada pelos administradores locais na III reunião ordinária do Governo Provincial da Huíla.

III Reunião Ordinária do Governo Provincial abordou a vaga de corte anárquico de árvores em vários municípios
Fotografia: Arão Martins | Edições Novembro

Ao intervir no evento, que analisou, entre outros temas, a vida socioeconómica dos municípios integrados no circuito da produção de milho, a administradora municipal de Chicomba, Dina Domingos, disse que muitos munícipes sustentam as famílias abatendo árvores para a produção e comercialização de carvão.
“O abate indiscriminado de árvores, por parte de alguns populares, é um dos constrangimentos que se verifica em vários municípios”, sublinhou, acrescentando que, devido à destruição da flora, na região norte da província, regista-se a falta de chuvas.

Sector da Educação

Dina Domingos fez saber que o défice no sector da Educação nos municípios de Caconda, Caluquembe e Chicomba, em relação ao crescente número de alunos que ingressam no sistema de ensino anualmente e a escassez de professores, é acentuado. Paralelamente a este factor, o outro embaraço é o reduzido número de infra-estruturas escolares.
Nos três municípios, disse a responsável, algumas obras de construção de escolas que arrancaram em 2013 encontram-se paralisadas, como por exemplo as de 6 e 7 salas de aula na comuna do Kutenda, município de Chicomba. Com vista a minimizar estas dificuldades, segundo a administrador, o governador da Huíla exarou um despacho que determina a admissão de 77 docentes em diversas categorias para os três municípios.

Saúde admite 511 profissionais

Ao todo, 511 novos profissionais de saúde foi admitidos recentemente, através de concurso público, na província da Huíla, anunciou, no município de Chicomba, o governador provincial.
Luís Nunes disse que, do grupo dos novos técnicos, 52 médicos e 400 técnicos de diversas áreas da saúde foram colocados nos 14 municípios da província. “ O sector da Saúde na província dispõe hoje de um Centro de Hemodiálise, que atende diariamente 75 pa-cientes”, disse.
O governador frisou que a Huíla conta, também, com um Centro de Mamografia no Hospital Central, “que contribui para o diagnóstico precoce e luta contra o cancro da mama”, adiantando que estão a ser reabilitados cinco blocos operatórios e remodelada a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Central do Lubango.
O governante fez saber ainda que decorrem obras de ampliação do Hospital Pediátrico Pioneiro Zeca do Lubango, que vai permitir o aumento da capacidade de internamento, de 61 crianças para 120.
A Maternidade do Lubango, informou, passou a funcionar nas instalações do Hospital Central Dr. António Agostinho Neto, “de forma provisória”, por ser um local que oferece melhores condições em relação às instalações anteriores. “Estamos a trabalhar para que a breve trecho as obras de requalificação da maternidade arranquem”, adiantou.
“A nível do sistema de saúde”, prosseguiu, “estamos a desenvolver acções com vista a melhorar as condições hospitalares, desde a instalação de equipamentos, criação de serviços e melhoria da própria assistência médica e medicamentosa.”

Suporte da Huíla
A Huíla, disse Luís Nunes, tem a responsabilidade de dar suporte ao aumento da produção de cereais, “com vista a responder às necessidades do país em termos alimentares e industriais.”

Vias de comunicação
Em termos de construção e reabilitação de estradas, o governador disse que estão a ser feitas obras de restauração no troço Quipungo - Chicomba.

Tempo

Multimédia