Províncias

Aldeias de Londuimbale sem professores e escolas

Estácio Camassete| Londuimbale

 O chefe da Repartição de Educação do Município do Londuimbale, Justino Tchitungo, disse ao Jornal de Angola que aquele município do Huambo necessita de 400 novos professores

Muitas aldeias estão sem professores
Fotografia: Jornal de Angola

O chefe da Repartição de Educação do Município do Londuimbale, Justino Tchitungo, disse ao Jornal de Angola que aquele município do Huambo necessita de 400 novos professores, para cobrir as necessidade que se verificam com o aumento do número de alunos matriculados este ano. Justino Τchitungo frisou que para a cobertura completa do município, com um universo de mais de 12 mil crianças que se encontram fora do sistema de ensino, são necessários mais de 400 novos professores e a construção de mais salas de aulas.
Actualmente, estão em funcionamento, em todo o município, 62 escolas, onde leccionam 790 professores. O município do Londuimbale tem cinco comunas – Alto Hama, Ussoque, Cumbila, Galanga e a comuna sede – e, segundo o responsável municipal de educação, cerca de 37 aldeias estão sem professores nem escolas, o que aumenta o número de crianças fora do sistema de ensino. Só no primeiro trimestre de 2010, os dados provisórios registados pela repartição apontam para 31.154 crianças matriculadas, mas os dados definitivos só vão ser apurados no fim do segundo trimestre, altura em que vão encerrar as inscrições.
A falta de uma escola do segundo ciclo, com instalações próprias, obrigou a que muitos alunos fizessem o ensino à distância e alguns procurassem outros destinos para poderem continuar a estudar. Mas, segundo Justino Tchitungo, está prevista, ainda para este ano, a construção, na sede do município, de uma escola do segundo ciclo com vinte salas de aula.
Questionado sobre a actualização da categoria dos professores, disse que este processo avançou e 85 por cento dos docentes já têm a actualização de categoria em dia, faltando a resolução do caso de uma minoria.
No concurso público dirigido ao sector da Educação, a repartição inscreveu mais de mil candidatos, para 400 vagas.

Tempo

Multimédia