Províncias

Andulo reforça estratégias rumo ao desenvolvimento

José Chaves | Andulo

Elevada à categoria de município há 46 anos, Andulo, na província do Bié, tem registado avanços significativos em todos os domínios para alcançar o desenvolvimento aos longos dos próximos anos, considerou ontem o seu administrador, Moisés Cachipaco.

No Andulo estão a ser construídas várias infra-estruturas sociais, como escolas e hospitais
Fotografia: Francisco Bernardo | Edições Novembro

Com os esforços que as autoridades governamentais têm levado a cabo, a vila de Andulo, que atingiu esta categoria no dia 13 de Julho de 1971, as imagens de destruição do período de guerra fazem actualmente parte do passado. Os escombros deram lugar a várias infra-estruturas sociais com destaque para as de impacto social.
O administrador municipal do Andulo referiu que a escola viu crescer, depois do alcance da paz efectiva, em 2002, o número de escolas, hospitais, centros e postos de saúde, sistemas de captação e fornecimento de água potável, de energia eléctrica, enquanto que, no domínio económico, se assinala a reactivação de vários projectos agrícolas e a criação de tantos outros neste sector.
Moisés Cachipaco recorda  que, nos últimos 15 anos, o Executivo criou uma série de programas que estão a permitir resgatar o potencial agro-pecuário a nível nacional.
O administrador municipal do Andulo avançou que o município, além de registar um número considerável de novas infra-estruturas sociais, também há aposta na recuperação de outras. Neste momento, por exemplo, a estrada para o Andulo está a ser reparada:  “Decorre igualmente uma grande aposta na construção de escolas e de abertura de novas unidades sanitárias nas povoações, aldeias e nas quatro comunas que compõem a municipalidade.”
Outro grande ganho que o Andulo registou, disse Moisés Cachipaco, tem a ver com a inauguração da dependência do Instituto Nacional da Segurança Social. Os pensionistas passaram a receber a sua pensão de reforma sem terem de se deslocar ao Cuito, ao Huambo ou a Luanda.
Um dos grandes projectos construídos no Andulo  é a Centralidade, cuja primeira etapa está já concluída. A construção  enquadra-se no Programa Nacional de Habitação, traçado pelo Executivo, para diminuir o problema da falta de casas, principalmente no seio da juventude e de funcionários públicos.
Os prédios da centralidade são de três pisos e os seus apartamentos de tipologia T3, estando já concluídas e prontas para habitar 172 habitações, entre apartamentos e moradias térreas e de dois pisos.
Além da rede de energia, a Centralidade do Andulo dispõe de um sistema de abastecimento de água e um outro  de tratamento de resíduos.Para satisfação dos habitantes, referiu  Moisés Cachipaco, o município alberga o maior Instituto Médio Agrário do Bié. A instituição tem alunos internos e externos, muitos dos quais oriundos de outras regiões do país.

Nova dinâmica

O município do Andulo possui um grande potencial turístico, que aguarda por investidores. Na região, destacam-se as famosas águas termais de Tchitucuta, na localidade de Chilesso, e as quedas do Andulo, que estão estampadas nas notas da nova família do kwanza.
Andulo tem  um grande potencial hídrico, com destaque para os rios Cune, Kwanza, Cunhinga e  Cutato, que devem ser melhor aproveitados, disse Américo Cachipaco.
O administrador municipal disse que há um plano de desenvolvimento municipal, destinado a dar resposta às  necessidades das população e a imprimir uma nova dinâmica no contexto social e económico local. Para este ano, estão programadas várias acções nos sectores da Saúde, Educação, Energia e Água, Assistência Social, Habitação, Obras Públicas e outras de índole administrativa.
Quanto às festividades dos 46 anos do município, que decorrem até dia 31 deste mês, estão programadas inaugurações de várias infra-estruturas sociais, realização de feiras do livro e agropecuária, além de diversas actividades culturais, desportivas e recreativas.

Município do Andulo


Ndulo é o nome da Embala “Ombala” mais antiga da área norte da província do Bié, fundada por Ngola Kiluange, vindo da região de Pungo Andongo, província de Malanje.
Antes da colonização da Embala Ndulo, o seu reinado se estendia até aos municípios de Cunhinga a norte, Catabola a leste e o Chinguar, a sudoeste, na altura com a denominação de embala Chicolongonjo.
Entretanto, reza a História que o primeiro regedor da embala “Ombala” Chicolongonjo foi Ukungu, filho de Ngola Kiluange.

Tempo

Multimédia