Províncias

Angolanos são chamados a produzir recursos

André Brandão | Ndalatando

O governador da província do Kwanza-Norte, Henrique André Júnior, defendeu neste segunda-feira, na comuna de Massagano, município de Cambambe, a necessidade dos angolanos se engajarem cada vez mais na produção de recursos para contribuírem para o crescimento económico e sustentável do país.

O governador da província do Kwanza-Norte, Henrique André Júnior, defendeu neste segunda-feira, na comuna de Massagano, município de Cambambe, a necessidade dos angolanos se engajarem cada vez mais na produção de recursos para contribuírem para o crescimento económico e sustentável do país.
Henrique Júnior avançou que o crescimento da agricultura consta nas prioridades do governo para que o país deixe de depender somente do petróleo e dos diamantes. Para isso, todos devem unir-se e apostar no engrandecimento da economia nacional.
O governante teceu tais declarações, quando discursava no acto provincial alusivo às festividades do 4 de Janeiro, consagrado aos Mártires da Baixa de Cassanje, tendo acentuado que os feitos positivos do crescimento económico são fruto do desempenho dos nacionalistas que lutaram pela libertação dos angolanos.
Segundo Henrique Júnior referiu, a comuna de Massangano foi escolhida devido ao seu potencial histórico onde se travaram várias batalhas entre as forças de ocupação colonial e o movimento de resistência da região, liderado por figuras emblemáticas da História de Angola, como Ngola Kiluanje e Rainha Nginga Bandi.
Segundo o governante, todas as ruínas e edifícios que se encontram na comuna de Massangano, como a igreja da nossa senhora da Vitória, túmulo do navegador português Paulo Dias de Novais, Fortaleza e Porto de Massangano, devem ser preservados. Por isso, foram classificados pelo governo como monumentos nacionais e históricos. Henrique André Júnior disse ainda que todos angolanos devem saber e dar maior importância à História de Angola, para que datas como o 4 de Janeiro e a independência nacional não passem despercebidas. Os benefícios da paz de que hoje o povo angolano desfruta, têm muito a ver com as batalhas do passado, permitindo a actual reconciliação dos angolanos e, consequentemente, a construção e reconstrução de distintas infra-estruturas económicas e sociais, que catapultam o país para o desenvolvimento em quase todos os domínios.
O governador agradeceu às igrejas pelo desempenho na luta pela unidade nacional, contra o desemprego, a fome e a pobreza, e na união das famílias. “É com a unidade nacional que devemos honrar a memória dos mártires da pátria para desenvolver o país e consolidar a democracia”, disse.
Ao celebramos o dia dos Mártires da repressão colonial, acrescentou, devemos evidenciar o mais profundo respeito e reconhecimento por todos quantos sacrificaram as suas vidas para que hoje o país seja livre e soberano e com uma paz conquistada, que constitui o alicerce seguro da reconciliação entre todos os angolanos, na reconstrução nacional e para a recuperação económica, rumo ao desenvolvimento de Angola. Os levantamentos da Baixa do Cassangeforam a semente da primeira acção organizada e com carácter político-militar, protagonizada pelos heróicos combatentes do 4 de Fevereiro de 1961.

Tempo

Multimédia