Províncias

Animais de estimação começam a ser vacinados

Manuel Tomás | Sumbe

O departamento dos serviços de veterinária da direcção provincial da Agricultura no Kwanza-Sul prevê vacinar, a partir de hoje, mais de 17 mil animais de estimação, entre cães, gatos e macacos, contra os 15 mil imunizados na campanha anterior.

Cães, gatos e macacos vão ser vacinados
Fotografia: Kindala Manuel

O departamento dos serviços de veterinária da direcção provincial da Agricultura no Kwanza-Sul prevê vacinar, a partir de hoje, mais de 17 mil animais de estimação, entre cães, gatos e macacos, contra os 15 mil imunizados na campanha anterior.
O chefe de Departamento dos Serviços de Veterinária, José Bonifácio Sukumula, disse que, durante 20 dias, serão ministradas gratuitamente vacinas e depois os populares deverão comparticipar com a quantia simbólica de cem kwanzas, por cada animal.
Garantiu que nesta campanha a província recepcionou doses de vacinas anti-rábica suficientes para serem distribuídas pelos doze municípios da província.
De acordo com José Bonifácio foram constituídas duas brigadas móveis e outras duas fixas no Sumbe, sendo uma na comuna do Kicombo, onde decorreu o acto central, a nível do país, da abertura da campanha anti-rábica, presidida pelo director geral dos Serviços de Veterinária, António José.
Os postos de vacinação do Kicombo e das instalações dos Serviços de Veterinária registam diariamente a presença de muitos adolescentes e adultos que levam os seus animais para serem vacinados.
O responsável dos Serviços de Veterinária aconselhou a população a denunciar a existência nas suas zonas de residência de cães não vacinados.
Segundo ele, a pessoa ao ser mordida por um animal deve desinfectar a ferida com álcool ou tintura de iodo e dirigir-se ao posto de saúde mais próximo.
“Mesmo depois do animal ser vacinado não deve ser deixado à deriva pelas aldeias e na rua, porque pode conviver com outros infectados”, disse.

Casos de mordeduras

O chefe de Departamento de Saúde Pública e Controlo de Endemias, Silvestre Henriques, revelou que, durante o ano transacto, foram administradas 98 doses de vacina anti-rábica a igual número de indivíduos mordidos por cães suspeitos de raiva.
Informou igualmente que, no mesmo período, registaram-se 60 casos de mordeduras e citou os municípios do Sumbe, Amboim, Kilenda, Libolo, Kibala e do Seles como os mais afectados.
“O governo da província está a construir no Sumbe um canil onde serão encaminhados os “cães vadios” que deambulam pela cidade”, disse Silvestre Henriques, apelando às administrações municipais, comunais, entidades religiosas, autoridades tradicionais e a sociedade civil no sentido de sensibilizarem os possuidores de cães, gatos e macacos para levá-los aos postos de vacinação.

Tempo

Multimédia