Províncias

Áreas do Sul de Angola livres de minas terrestres

Arão Martins | Lubango

A brigada de desminagem do Comando da Região Militar Sul, desminou até Dezembro de 2009, 1.298.690 metros quadrados de superfície terrestre nas províncias do Kuando-Kubango, Namibe, Huíla e Cunene.

A brigada de desminagem do Comando da Região Militar Sul, desminou até Dezembro de 2009, 1.298.690 metros quadrados de superfície terrestre nas províncias do Kuando-Kubango, Namibe, Huíla e Cunene. A informação foi prestada ontem, na cidade do Lubango, pelo comandante da Região Militar Sul, general Apolo Felino Yakuvela, por ocasião da tradicional cerimónia de cumprimentos de fim de ano.
Disse que como resultado das acções, foram desactivadas 594.930 toneladas de engenhos explosivos de diversos calibres não detonados, como minas, granadas e morteiros.
O general informou que foram desminados aeródromos, reservas fundiárias, áreas das tropas, zonas de alojamento das populações vítimas das cheias, vias de acesso e campos de cultivo. Referiu que tal como todo o Exército, a Região Militar Sul está empenhada no cumprimento das orientações superiores relativamente às jornadas de Educação Moral, Cívica e Patriótico Militar, com o seu término aprazado para 31 de Janeiro próximo.
O general Apolo Felino Yakuvela exortou as chefias e comandos de todos níveis a continuarem “a trabalhar com afinco esbatendo a problemática dos acidentes rodoviários, a sida e o civismo”.
Apolo Yakuvela disse que “quatro acontecimentos de grande significado para as Forças Armadas Angolanas e para o Exército em particular tiveram lugar na Região Militar, a realização do XII Conselho do Exército e a VII Reunião de Balanço, abertura do Ano de Instrução 2009/2010 a nível das FAA, o acto das comemorações do 17º aniversário do nosso ramo e o treino conjunto de Comando e Estado Maior”.
O comandante reconheceu que ficou provada, mais uma vez, a capacidade da Região nos domínios organizativo e disciplinar. Disse ser importante continuar aperfeiçoar a organização e disciplina militar para que aquele comando corresponda cada vez mais às exigências que o momento impõe.
“É com orgulho que constatamos, no decurso de 2009, a defesa de tese de licenciatura no Instituto Superior de Ciências de Educação, ISCED do Lubango de dez oficiais e uma trabalhadora civil do nosso comando. É necessário que cada um de nós procure melhorar a sua formação, tanto militar como académica por ser um dos factores que elevam a competência”.

Tempo

Multimédia