Províncias

Associação de taxistas confraterniza com idosos

Maximiano Filipe | Benguela e Carlos Paulino | Menongue

Membros da Associação dos Taxistas de Benguela confraternizaram quinta-feira com idosos do lar de 3ª idade “Ondjo Yetu”, muitos dos quais abandonadas pelas próprias famílias.

O almoço de confraternização e doação de bens, entre alimentares, de uso pessoal e de higiene, faz parte do programa de apoio aos idosos daquela instituição de caridade, que contou com a parceria da Igreja Universal do Reino de Deus.
A responsável do lar, Luzia Cecília, que agradeceu o gesto da Associação dos Taxistas locais, afirmou que actualmente o lar controla 49 idosos, supervisionados por uma equipa de vigilantes, formadas em assistência e reinserção social.
“Queremos que não lhes faltem as condições básicas, fundamentalmente alimentação, vestuário e tudo aquilo que lhes permite viver com dignidade”, sublinhou Luzia Cecília, para quem a maior preocupação consiste apenas no abandono por parte dos seus  familiares, “porque uma vez deixados aqui, os seus parentes jamais aparecem, nem mesmo para visitás-los”, lamentou a responsável.
Luzia Cecília disse que, em termos de condições alimentares, os idosos beneficiam diariamente de três refeições completas, nomeadamente pequeno almoço, almoço e jantar, bem como de lanche no período da tarde.  
Segundo a responsável pelo lar de idosos “Ondjo Yetu”, é-lhes igualmente reservado o direito de escolha em relação ao que preferem comer durante o dia, visto que nem todos aceitam comer a mesma coisa.
O dia-dia dos idosos naquela instituição contempla um leque de actividades recreativas e culturais, momentos de lazer e partilha de aspectos educativos e pedagógicos.
Um posto médico com técnicos de saúde especializados em Enfermagem Geral está à disposição dos idosos, para o controlo do seu estado físico e mental.
Em função da qualidade das condições de acomodação, higiénicas e sanitárias existentes no lar, raras são as ocasiões em que a saúde dos idosos é abalada. O paludismo e as gripes constituem, na maior parte das vezes, as enfermidades diagnosticadas durante as consultas rotineiras, cujo tratamento pode ser feito no posto médico.
A responsável aproveitou a oportunidade para apelar a outras organizações sociais no sentido de seguirem o exemplo da Associação dos Taxistas, tendo em conta que o idoso é um ser que precisa da atenção de todas as franjas da sociedade, para não se sentirem discriminados.
Luzia Cecília afirmou que consta da agenda da instituição para 2017 a revitalização do programa de alfabetização. O Jornal de Angola  apurou que, na sequência das acções de solidariedade, a organização não governamental local “Desafio Jovem”, efectuou ontem um donativo àquela instituição, como forma de reforçar as condições sociais básicas dos idosos.

Solidariedade em  Menongue

Mais de 100 crianças internadas no Hospital Pediátrico e 42 idosos do Lar da Terceira Idade do bairro Hoji-ya-Henda, em Menongue, província do Cuando Cubango, receberam gestos de solidariedade, no âmbito do programa Natal Solidário, uma iniciativa da Organização da Mulher Angolana (OMA).
No Hospital Pediátrico de Menongue, as crianças receberam brinquedos, lanche e material higiénico, ao passo que os idosos do Lar da Terceira Idade beneficiaram de calçado, lenços, panos e de um almoço de confraternização, onde os mais velhos aproveitaram recordar alguns toques de dança tradicional.
A directora administrativa do Hospital Pediátrico, Rosária Maria Tchissingui, agradeceu o gesto de solidariedade da OMA, tendo realçado que o mesmo é bem vindo, pois  qualquer acção de carinho ajuda sempre na rápida recuperação de pessoas doentes e que merecem uma atenção especial.
Rosária Maria Tchissingui informou que, diariamente, a sua instituição atende mais de 200 crianças com diversas patologias, com realce para malária, doenças diarreicas e respiratórias agudas e má nutrição. Sobre o asseguramento da quadra festiva, a directora administrativa garantiu que 20 técnicos estão neste momento preparados para a prestação e atendimento dos pacientes que acorreram àquela unidade hospitalar.
A responsável do Lar da Terceira Idade, Mimi Bom Ano, mostrou-se regozijada pelo facto de os idosos da instituição que dirige serem recordados nesta época do Natal, visto que muitos foram abandonados pelas famílias e a data passa geralmente  despercebida.
Mimi Bom Ano salientou que, actualmente, o lar controla 42 idosos, dos quais 33 mulheres.
 Apelou às outras instituições e pessoas singulares a seguirem o exemplo da OMA. 

Tempo

Multimédia