Províncias

Aumentam os preços da carne em várias artérias de Ondjiva

Elautério Silipuleni | Ondjiva

 A elevada procura da carne de vaca na cidade de Ondjiva, província do Cunene, está a causar especulação na venda do produto nos últimos dias, numa altura em que muitos procuram garantir uma quadra festiva condigna às suas famílias.

Produção da carne ainda é insuficiente para satisfazer às necessidades da população
Fotografia: JA

 A elevada procura da carne de vaca na cidade de Ondjiva, província do Cunene, está a causar especulação na venda do produto nos últimos dias, numa altura em que muitos procuram garantir uma quadra festiva condigna às suas famílias.
 Numa ronda efectuada em alguns talhos da cidade, o Jornal de Angola constatou que um quilo de carne, que há um mês era vendido a 350 Kwanzas, hoje custa 600 kwanzas.
   Segundo alguns comerciantes de carne, o preço subiu devido à falta de animais de abate nesta altura do ano. A concorrência também é maior porque muita gente vem de outros pontos do país procurar animais para vendê-los nos mercados da capital e do resto do país.
A carne de vaca tem sido uma constante na dieta alimentar da população de Ondjiva, principalmente na época festiva, o que faz com que a procura aumente.
        
Enchentes nas lojas
 
  Os estabelecimentos comerciais da cidade de Ondjiva têm registado nos últimos dias grandes enchentes de clientes que procuram consumíveis para a quadra festiva.
  A procura de produtos de primeira necessidade, como cerveja, gasosa, sumo, farinha de trigo, fermento, açúcar, feijão, leite, óleo de palma e outros bens, é constante, o que obriga os lojistas a abastecerem as prateleiras constantemente.
 Para permitir que o público tenha mais tempo para comprar, muitos estabelecimentos aumentaram as horas de atendimento, como é o caso do supermercado Shoprite que abria as portas às 8h00 e fechava às 19h00 e que actualmente abre às 8h00 e fecha às 21h00.
Os brinquedos para os mais pequenos têm sido muito procurados pelos pais. As lojas estão apetrechadas com diversos brinquedos como bonecas, carrinhos e muitos outros que agradam às crianças.
 
Preferência dos clientes

 
 Filomena Maria disse ser uma das clientes assíduas do estabelecimento comercial Shoprite, por considerar que os preços são acessíveis, o que permite comprar mais produtos com menos dinheiro.
 Disse igualmente que os produtos nos supermercados são bem conservados e que têm a qualidade desejada para o consumo, o que não acontece no mercado informal.
Domingos Ndileinge Van-Dúnem disse que prefere comprar no mercado informal porque lá tem a possibilidade de discutir o preço. “Nós aqui na praça podemos pedir ao vendedor para baixar o preço de um artigo, já nas lojas não é possível, os preços são estipulados e não há conversa”, sublinhou.

Tempo

Multimédia