Províncias

Angola precisa de uma escola para formar técnicos cervejeiros

Pedro Bica | Bom Jesus

A falta de uma escola do ensino médio ou superior para a formação de técnicos de cerveja é um dos problemas das fábricas daquele produto instaladas no país, disse, ao Jornal de Angola, o director-geral de uma delas.

Criação de uma instituição de formação pode dar maior qualidade à produção nacional
Fotografia: Domingos Cadência | Bom Jesus

A falta de uma escola do ensino médio ou superior para a formação de técnicos de cerveja é um dos problemas das fábricas daquele produto instaladas no país, disse, ao Jornal de Angola, o director-geral de uma delas.
Jacques Gillet, director-geral, da Cobeje, que produz a Cuca e a Nocal, afirmou que a empresa chegou a ter um acordo com a Universidade Jean Peaget, concedendo bolsas de estudos para as áreas de laboratório e de farmácia, que foi rescindido por os três primeiros seleccionados terem abandonado as aulas.
Os jovens, frisou, desde que tenham um bom nível académico média e educação podem perfeitamente adquirir as técnicas de funcionamento da indústria.
Um número considerável de trabalhadores do laboratório de controlo de qualidade participou, recentemente, numa acção de formação na fábrica, ministrada por angolanos e estrangeiros.

Jovens satisfeitos

Mário Canda, que trabalha na cervejeira há três anos, exercendo a categoria de encarregado de enchimento, considera que este primeiro emprego “é uma porta aberta para a realização pessoal”.
Trabalhar numa indústria, revelou, era o meu grande sonho, enquanto estudante, pois sempre desejei contribuir para o desenvolvimento do país.
No início, confessou, encontrei algumas dificuldades, só foi possível superar graças à força de vontade, ao apoio dos colegas de equipa e à compreensão dos responsáveis.
Fernanda Silva, também trabalhadora da área de enchimento, disse sentir-se feliz porque a função que exerce estava anteriormente reservada aos homens.
Fernanda da Silva, que trabalha com paletes, disse que a formação, feita na fábrica, lhe permite já manusear a máquina.
Os trabalhadores da Cobeje dispõem de um posto médico, que também presta assistência sanitárias aos familiares e à população da referida comuna .
Os trabalhadores beneficiam também de formação técnica e profissional permanente, de prémios de produtividade e de acções regulares sobre a prevenção de acidentes no trabalho.
Na comuna de Bom Jesus, onde a Cobeja está instalada, a empresa colabora com as autoridades locais nos sectores da saúde e educação e na distribuição de água potável, com camiões cisternas.

Tempo

Multimédia