Províncias

Autoridades apreensivas com mortes por diarreia

Alfredo Ferreira e Edson Fontes| Caxito

A direcção provincial da Saúde do Bengo está preocupada com os 74 casos de diarreia, que provocaram cinco óbitos, desde Julho.

Autoridades sanitárias estão empenhadas em acções para travar casos da doença
Fotografia: Edmundo Eucílio

A direcção provincial da Saúde do Bengo está preocupada com os 74 casos de diarreia, que provocaram cinco óbitos, desde Julho.
O director provincial da Saúde, Mbala Kussunga, disse, no Caxito, que estes casos começaram a ser registados a 22 do mês passado, na comuna da Barra do Dande e na localidade do Sungue, partes do município do Dande. A outra localidade identificada com casos de cólera é a do Porto Quipiri, com apenas um caso. Neste momento, as autoridades já procederam à recolha das fezes, que foram encaminhadas para o Laboratório Nacional de Saúde Pública, em Luanda, para ser diagnosticada a causa da patologia. “Estamos à espera dos resultados”, disse Mbala Kussunga.
A par da recolha das fezes, o director salientou que está a ser analisada a água consumida localmente, para determinar qual é o agente dos casos que estão a ser registados no município de Dande.
Mbala Kussunga adiantou que estão a ser criadas medidas de educação para a saúde, através de agentes de sensibilização e pediu aos cidadãos para porem gotas de lixívia ou ferverem a água antes de a consumirem.
A direcção local da Saúde está a trabalhar, em coordenação com a administração municipal e a repartição do sector, no sentido de controlar todos os casos. O responsável provincial aconselhou a população a construir latrinas e a evitar defecar em locais impróprios ou ao ar livre.

Criada comissão

Foi ainda criada uma comissão, composta por um supervisor que responde pela área de emergência, para dar respostas mais eficazes à situação. Neste momento, a província tem grandes quantidades de soro e lixívia para distribuir à população, assegurou.
O director realçou que enquanto existirem problemas de saneamento básico, a construção de latrinas comunitárias nas áreas onde estão a surgir os casos de diarreia deve ser uma das soluções a adoptar.

Tempo

Multimédia