Províncias

Autoridades locais expandem a rede escolar

Pedro Bica | Caxito

A expansão e a ampliação das escolas do ensino primário e do primeiro ciclo, no município do Dande, são as prioridades da repartição municipal da Educação para o presente ano.

A expansão e a ampliação das escolas do ensino primário e do primeiro ciclo, no município do Dande, são as prioridades da repartição municipal da Educação para o presente ano.
A informação foi dada ao Jornal de Angola pelo chefe da repartição, António Dias. Grande parte das instituições escolares do Dande debate-se com excesso de alunos nas salas, o que vai contra as normas da reforma educativa que prevê apenas 35 alunos por cada sala. Revelou também que foram feitos estudos para avaliar as necessidades em termos de infra-estruturas, com objectivo de estender a rede escolar às aldeias mais longínquas.
Caxito, por ser a capital da província, precisa com urgência de mais salas. Outro problema é o facto de não existirem habitações para acomodar os professores, sobretudo nas localidades com difícil acesso aos serviços básicos.
“Nas comunas existem áreas que quando chove só é possível fazer-se o percurso a pé e muitas vezes o sinal da telefonia móvel das duas operadoras deixa de funcionar. Isso dificulta a actividade docente”, considerou  António Dias.
Outra situação preocupante é que na maior parte das aldeias das cinco comunas do Dande, os alunos continuam a estudar em igrejas, escolas de pau a pique e adobe. “As igrejas Católica, Metodista e Pentecostal têm-nos cedido os seus locais de culto, de segunda a sexta, para receber os alunos e isso tem sido uma grande ajuda”, informou.
Actualmente o município conta com 90 escolas. Destas, 74 são das classes primárias, 16 são do primeiro ciclo e três são comparticipadas. Os alunos nas escolas comparticipadas são obrigados a pagar uma propina simbólica.
António Dias disse que para os professores, os salários, subsídios, material didáctico e de apoio são da responsabilidade do Ministério da Educação, através da Direcção Provincial do Bengo. Disse que apesar das dificuldades com que se debate o sector, foi possível matricular, no presente ano lectivo, 31 mil alunos. No ano passado foram matriculados 26 mil, tendo ficado fora do sistema normal de ensino mil crianças em idade escolar. Este ano, foram todos absorvidos.
Com base no concurso público de 2011, o município do Dande tem vindo a receber novos professores, sobretudo nas disciplinas de matemática, física e línguas.
No conjunto, referiu António Dias, o Dande conta com 1.600 professores colocados nas comunas da Barra do Dande, Caxito, Mabubas, Úcua e Kicabo.

Responsabilidade dos pais

António Dias disse que a qualidade do ensino e aprendizagem deve ser igualmente uma responsabilidade dos pais e encarregados de educação. Recordou que em muitos casos, os pais aparecem apenas nas escolas no final de cada ano lectivo. Durante as aulas não fazem o acompanhamento dos alunos, sobretudo no que diz respeito à assiduidade e ao nível de aproveitamento escolar dos seus educandos.
O responsável da Educação no Dande realçou que é no seio familiar que os alunos precisam de ter a primeira escola, daí que os pais devem ter um elo de ligação importante e permanente com as instituições escolares: “as famílias desorientadas ajudam a degradar a sociedade”.
O Ministério da Educação deu instruções às escolas de todo o país para facilitarem a matrícula de alunos que não possuem cédula pessoal, disse António Dias.
Quanto ao nível académico dos educadores, António Dias revelou que já satisfaz as necessidades, mas apelou à formação de mais professores das disciplinas de matemática, física, biologia e português.
O chefe de repartição municipal da Educação do Dande lamentou que muitos alunos das aldeias longínquas que concluem o primeiro ciclo tenham de abandonar as suas casas para continuarem os estudos no Caxito.
Uma das apostas das autoridades passa pela criação de mais escolas de formação de professores e existência, nos institutos superiores da província, de uma estreita cooperação na vertente formativa.
“Todos os anos lutamos para melhorar a qualidade do ensino e aprendizagem, pois só assim estamos a cumprir as orientações do Ministério da Educação através da directiva sobre a reforma educativa”, reconheceu. Dande é um dos municípios da província do Bengo, com sede no Caxito. Tem 6.529 quilómetros quadrados e 83 mil habitantes. É limitado a norte pelos municípios do Ambriz e Nambuangongo, a este pelos municípios dos Dembos e de Pango Aluquém, a oeste pelo município do Cacuaco e pelo Oceano Atlântico.A população dedica-se maioritariamente à agricultura e pesca. Administrativamente é constituído pelas comunas da Barra do Dande, Caxito, Mabubas, Kicabo e Úcua.

Tempo

Multimédia