Províncias

Bengo: Concurso público na Educação regista poucos concorrentes

Alfredo Ferreira| Caxito

O concurso público para ingresso de novos professores, no sector da Educação, na província do Bengo, que tem disponível 489 vagas para o ensino primário e secundário, que teve início há duas semanas, está a registar pouca adesão de candidatos com os requisitos específicos para a docência.

Número de professores no sector público da província vai aumentar ainda neste ano lectivo
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

O coordenador da Subcomissão Técnica Provincial do concurso público, Arlindo Paulo, disse em conferência de imprensa, que a fraca adesão de concorrentes “deve-se ao défice que o país regista em algumas disciplinas”.

A outra causa, segundo Arlindo Paulo, está associada à pandemia da Covid-19, pois algumas pessoas, por força das restrições decretadas, encontram dificuldades para se locomover de uma região para outra. “Por estas razões estamos a ter mais candidatos de Luanda e da própria província”, disse.

O responsável disse que a Comissão Provincial do concurso público, registou com preocupação a campanha que está a ser disseminada nas redes sociais, informando que as regras do concurso foram alteradas por orientação superior. “Esta informação não corresponde à verdade. A Comissão Provincial guia-se por instrumentos legais, e sempre que notar anormalidades no concurso actua à luz da lei”, sublinhou Arlindo Paulo.

Desde o arranque dos trabalhos para a abertura do concurso público foram inscritos três mil e 745 candidatos, dos quais 1.722 concorrem para a docência do primeiro ciclo. Para o preenchimento das vagas, a prioridade está a ser dada aos candidatos formados em magistérios, institutos e escolas superiores vocacionadas à formação específica para a docência.

É exigida aos candidatos nacionalidade angolana, idade entre os 18 e os 35 anos, formação técnica média, bacharelato ou licenciatura, com a agregação pedagógica e qualificações específicas na disciplina que pretendem candidatar-se.

O concurso público realizado no ano passado na província foi anulado por ter sido detectado irregularidades, pelo que desde então o sector da Educação não enquadrou mais professores. A província do Bengo tem 220 escolas primárias, das quais 211 públicas e nove privadas. Neste ano lectivo conta com 99 mil e 886 estudantes do ensino primário, da 1ª à 6ª classe, 10 mil na iniciação, e mil e 17 professores.

Tempo

Multimédia