Províncias

Bengo conta com novo hospital de referência

Alfredo Ferreira

O Centro de Saúde Abel dos Santos, afecto à Polícia Nacional, na província do Bengo, foi elevado à categoria de hospital, informou ontem, em Caxito, o delegado provincial do Ministério do Interior.

Hospital presta também assistência à população da região
Fotografia: Maria João-Caxito | Edições Novembro

Domingos Ferreira Paiva deu esta informação durante a abertura do seminário sobre as doenças silenciosas, no âmbito das comemorações do 17º aniversário da referida unidade hospitalar.
De acordo com o delegado provincial do Ministério do Interior,  houve necessidade de elevar-se o Centro de Saúde Abel dos Santos à categoria de hospital, devido aos trabalhos que tem vindo a desenvolver na região.
Frisou que o centro foi construído com o objectivo de prestar assistência aos efectivos do Ministério do Interior, mas, com o decorrer do tempo e tendo em conta a sua reestruturação, passou  também a assistir outras entidades militares, bem como cidadãos comuns.
Domingos Paiva explicou que, ao longo da sua existência, o centro foi remodela-do e ampliado, permitindo assim a expansão dos seus serviços, garantindo maior oferta aos utentes que diariamente acorrem àquela unidade sanitária.
Disse que o número de camas aumentou de 15 para 50, na sequência do alargamento de serviços, tais como consultas pré-natal, programa alargado de vacinação, aconselhamento e testagem voluntária de doenças sexualmente transmissíveis, estomatologia e pediatria.
Apelou aos funcionários para continuarem a trabalhar com empenho e dedicação para que o hospital possa continuar a ser uma unidade sanitária de referência na provín-
cia. Realçou também o esforço que se deve fazer no sentido de terminar a obra onde vão funcionar os serviços de he-moterapia, bem como a necessidade de se criar o serviço de oftalmologia.
De realçar que o agora Hospital Abel dos Santos foi inaugurado em 2001, pelo ex-Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

 Aposta na expansão
O director provincial dos serviços de saúde do Ministério do Interior, inspector-chefe António José “Stone”, falou da necessidade de im-plementar-se e expandir-se os serviços de saúde para a melhoria da assistência médico e medicamentosa aos efectivos dos comandos municipais.
António José, que dissertou o tema “Doenças silenciosas”, realçou que, no con-
junto de acções em curso, se destaca ainda a melhoria e  a criação de postos de saú-de nos órgãos e comandos municipais, incluindo o seu apetrechamento, formação permanente, colocação de técnicos de saúde e distribuição regular de medicamentos e meios médicos, com vista a garantir maior aproxima-ção dos serviços básicos de saúde a todos os efectivos da corporação.
Com 184 efectivos, entre médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico e terapêutica, apoio hospitalar e pes-
soal administrativo, a Direcção de Saúde do Minint/Bengo controla um hospital (Abel dos Santos) e dez postos de saúde, nos Serviços Prisionais do Caboxa, UPIP, Serviço de Bombeiros, Polícia de Guarda Fronteira na Barra do Dande, posto policial do Panguila, bem como nos comandos municipais do Bula Atumba e Pango Aluquém.
Durante o seminário, os participantes abordaram temas sobre “Situação sanitária e da saúde do Ministério do Interior na província do Bengo”, “Insuficiência renal, um desafio para a saúde e comunidades”, “Diabetes, situação actual no nosso seio”, “Doenças cardiovasculares e hipertensão arterial” e “Cancro da próstata, um mal prevenível”.
Uma Feira da Saúde e rastreio do câncer da próstata e da mama constam das acções agendadas para o seminário, promovido pela Direcção Provincial dos Serviços de Saúde do Minint/Bengo, que, no primeiro semestre deste ano, diagnosticou 9.143 casos de malária, 861 de síndrome gripal, 725 de hipertensão arterial, 634 de febre tifóide, 400 de sistossomíases, 157 de parasitose intestinal, 49 de tuberculose, 44 de anemias e 43 de traumatismo por acidente de viação.

Tempo

Multimédia