Províncias

Centrais de distribuição e conexão por fibra óptica são uma realidade

Pedro Bica| Caxito

As sedes municipais do Ambriz, Dande, Dembos e a comuna de Cabo Ledo, na província do Bengo, contam actualmente com centrais de distribuição e conexão à Internet, através do cabo de fibra óptica.

Director provincial das Telecomunicações
Fotografia: Edmundo Eucílio

As sedes municipais do Ambriz, Dande, Dembos e a comuna de Cabo Ledo, na província do Bengo, contam actualmente com centrais de distribuição e conexão à Internet, através do cabo de fibra óptica.
Apesar de ainda não terem sido inaugurados oficialmente, os sistemas funcionam a título experimental, permitindo que os munícipes de Caxito, por exemplo, possam já aderir aos três tipos de serviço de Internet, a DSL por cabo, IMAX e o Toque Mais.
O director provincial dos Transportes, Correios e Telecomunicações, João da Silva Castelo Branco, afirmou que a DSL por cabo, IMAX e o “Toque Mais” da Angola Telecom, através da telefonia sem fio, estão disponíveis apenas no município do Dande.
O responsável revelou que a Angola Telecom prevê instalar, nas oito sedes municipais e algumas comunas, centrais de fibra óptica, com o objectivo de melhorar a qualidade dos serviços de telefonia móvel, por fio e da Internet.
Relativamente aos serviços de telefonia móvel, indicou que apenas a Angola Telecom e a Unitel cobrem os oito municípios e arredores, ao contrário da operadora Movicel, que não tem sinal estendido em três municipalidades.
João Castelo Branco disse que entre 2008 e 2009 a província do Bengo foi contemplada com um projecto que serviu para a instalação de 25 tele-centros de telecomunicações nas zonas rurais.
Importa realçar que os tele-centros funcionam onde os serviços de telefonia móvel ou fixa não existem, possuindo igualmente uma linha para dados, serviços que são comercializados a baixo preço, através de cartões.
O que preocupa a direcção das Telecomunicações é o facto dos munícipes não estarem a utilizar os serviços de dados, que estão disponíveis nos 25 tele-centros.
Aquele responsável anunciou que os municípios de Pango Aluquém, Bula Atumba, Nambuangongo e a sede municipal da Kissama vão beneficiar destes serviços, através de satélites a serem brevemente instalados.

Centro meteorológico

A província do Bengo, à semelhança de outras do país, possui agora um centro meteorológico, localizado em Paranhos, na vila de Caxito. O empreendimento foi construído pelo governo provincial e fornece dados ao Instituto Nacional de Meteorologia (INAMET) 24 horas por dia.
O grande constrangimento, segundo o responsável, prende-se com o facto de o mesmo centro estar a funcionar apenas com um técnico, que tem de permanecer no local o ano todo, sem gozar licença disciplinar.
Para se ultrapassar tal situação, a direcção provincial dos Transportes, Correios e Telecomunicações prevê, nos próximos tempos, a contratação de mais duas pessoas, que vão ser formadas nas escolas do INAMET.
Segundo Castelo Branco, este facto deve-se à incapacidade financeira do INAMET para suportar as despesas com salários dos funcionários, bem como para garantir a manutenção dos vários centros espalhados pelo país.

Modernização nos Correios

No que toca aos serviços prestados pelos Correios, o responsável provincial disse que estes aguardam uma modernização da sua actividade, pois com a existência do fax, do telemóvel e da Internet diminui a necessidade do uso das cartas tradicionais. />O responsável deu a conhecer que os serviços de correios ainda funcionam a meio gás no município de Icolo e Bengo, estando Ambriz e Dembos a clamar por obras de reabilitação e Caxito por apetrechamento.
Para os próximos tempos, aos Correios vão estar agrupados outros serviços integrados, como cyber café, centros de formação para usuários de computadores, bem como um local para aquisição do seguro automóvel e um banco comercial.
Neste momento, uma equipa da Direcção Nacional dos Correios está a trabalhar em parceria com técnicos locais no levantamento das infra-estruturas existentes e a estudar a possibilidade de construção de outras instalações em todos os municípios.

Transportes marítimos 

A direcção provincial dos Transportes, Correios e Telecomunicações do Bengo inscreveu no Programa de Investimentos Públicos (PIP), para o ano de 2012, a aquisição de canoas a motor para o município da Kissama, com vista a facilitar a travessia do rio Kwanza.
Quanto à vila piscatória do Ambriz, banhada pelo mar, o responsável disse que a localidade vai beneficiar de um projecto ligado ao Instituto Marítimo de Angola, que prevê ligar a zona através da via Cacuaco-Barra do Dande.
João Castelo Branco indicou que para a entrada em funcionamento destes meios, o Executivo vai construir várias pontes cais, além da aquisição de barcos próprios para o transporte de passageiros.
De realçar ainda que, actualmente, os dois municípios têm as principais vias de acesso em mau estado de conservação, o que leva a que muitos empresários, com intenção de investir, desistam.
Dada a localização geográfica das referidas localidades, os solos bastante aráveis e um povo empenhado no combate à fome e à pobreza e com uma aposta nas variedades turísticas existentes, o director acredita que estes factores podem proporcionar a criação de mais empregos e receitas financeiras para o Estado.
Castelo Branco salientou que os dois municípios são tidos como grandes áreas de interesse turístico, devido ao seu potencial, que permite oferecer a qualquer turista uma variedade significativa de lazer e sossego.

Interprovinciais
 
O director considerou que os serviços de transportes interprovinciais no Bengo têm desenvolvido de forma satisfatória as suas actividades. A província conta com três operadoras, que garantem o transporte de passageiros na rota Caxito/Luanda, fazendo igualmente ligações com as localidades do Kwanza-Norte, Malange, Uíge e Benguela, esta ainda com pouca regularidade.
João Castelo Branco disse que com a melhoria das estradas o processo de circulação e mobilidade na zona aumentou em quantidade e qualidade.
No âmbito do projecto de afectação de meios às províncias, o Bengo foi contemplado em 2009 com 65 novos autocarros, que foram distribuídos pelas operadoras locais, salientou.
No que toca à ligação municipal, apenas Ambriz e Nambuangongo estão sem transportes municipais, devido ao estado de degradação das suas principais vias de acesso.
Importa realçar que os taxistas, vulgo candongueiros, também têm contribuído para o transporte de pessoas e bens, principalmente no trajecto Caxito/Luanda e vice-versa.

Tempo

Multimédia