Províncias

Centro de conservação está inoperante há anos

Alfredo Ferreira | Ambriz

O centro de tratamento e conservação do pescado do município do Ambriz está avariado há dois anos, o que tem criado muitas dificuldades aos pescadores associados na cooperativa de pesca Sanga Kianganga.

Presidente da cooperativa de pesca
Fotografia: Edmundo Eucílio Ambriz

O centro de tratamento e conservação do pescado do município do Ambriz está avariado há dois anos, o que tem criado muitas dificuldades aos pescadores associados na cooperativa de pesca Sanga Kianganga.
Gomes Augusto Goma, presidente da referida associação, disse sexta-feira que a paralisação do centro de tratamento do pescado reside no facto de a bomba de água, a área de conservação e a lâmina que servia para cortar o peixe estarem danificadas.
O responsável disse que tal situação causou a falência da associação e o desemprego de muitos associados, pois grande parte das embarcações, doadas pelo PNUD, encontra-se inoperante por falta de peças sobressalentes.
Segundo Augusto Goma, o município piscatório do Ambriz não regista grandes actividades de pesca actualmente, o que considera de preocupante, pois muitos membros da associação dependem da pesca para sustentar as famílias. Recordou que a instituição que dirige recebeu já garantias de reabilitação e inovação da cooperativa com outros meios, inseridos no programa do Executivo, que apoia a actividade da pesca através do Instituto de Pesca Artesanal (IPA).
Importa realçar que o centro de tratamento e conservação de pescado do Ambriz foi inaugurado em 2002, tem uma área de processamento e salgas, armazenamento do pescado, produção de gelo, salineiro, bem como uma capacidade de armazenamento de 400 a 500 quilos de pescado.

Tempo

Multimédia