Províncias

Chuvas fortes destroem casas no Caxito

Pedro Bica | Caxito

As chuvas e fortes ventos que se abateram sobre a cidade do Caxito causaram a destruição de 121 habitações e o derrube de árvores. Os bairros mais afectados são os do Cauango, Kitonhi, Kimaria, Mubungo, Mufuma e Kijoão Mendes. Segundo dados da Administração Municipal do Dande, sete casas ficaram completamente destruídas, enquanto as restantes ficaram sem tecto. O bairro Kijoão Mendes foi o mais afectado, com 36 casas sem tecto.

Nos bairros mais afectados as casas são rudimentares feitas à base de adobes e pau a pique e muitas estavam por baixo de árvores
Fotografia: Edmundo Eucílio|Bengo

As chuvas e fortes ventos que se abateram sobre a cidade do Caxito causaram a destruição de 121 habitações e o derrube de árvores. Os bairros mais afectados são os do Cauango, Kitonhi, Kimaria, Mubungo, Mufuma e Kijoão Mendes. Segundo dados da Administração Municipal do Dande, sete casas ficaram completamente destruídas, enquanto as restantes ficaram sem tecto. O bairro Kijoão Mendes foi o mais afectado, com 36 casas sem tecto.
Francisco Sebastião Adão, da Administração Municipal, garantiu que estão a ser feitos esforços junto da Assistência e Reinserção Social e dos Bombeiros, para apoiar as vítimas. Dado o elevado número de casas afectadas, a Administração Municipal não consegue dar resposta aos sinistrados, pois é difícil o acesso a várias zonas afectadas.
Francisco Adão deu a conhecer a realização de uma reunião de emergência, marcada para o dia de ontem, com os membros dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros, para avaliar os estragos e tomar medidas. A rua principal do Caxito e algumas vias secundárias ficaram intransitáveis devido à queda de árvores, em consequência dos fortes ventos.
Nos bairros mais afectados, as casas são rudimentares, feitas à base de adobes e pau a pique. E muitas estavam por baixo de árvores velhas. Para os agricultores as chuvas são bem-vindas, pois representam o fim da estiagem e o renascer da esperança em colheitas abundantes. Mas Feliciana José, moradora no bairro Cauango, a chuva foi uma desgraça, pois perdeu quase tudo.
Revelou à nossa reportagem que teve de passar as primeiras horas de domingo ao relento com os seus filhos, pois a forte ventania levou as chapas do tecto. Feliciana José é a única que garante o sustento da família, daí que deposita esperança nas autoridades municipais para a ajudarem a cobrir a sua casa.
Os moradores das zonas mais afectadas perderam, para além das casas, produtos alimentares perecíveis, electrodomésticos, colchões, loiças e dinheiro.
Enquanto continuar a chover, as pessoas que vivem próximo dos diques de protecção do rio, vão continuar sob ameaça de perderem os seus haveres.
O município do Dande, com sede na cidade do Caxito, debate-se ainda com sérios problemas no que toca ao saneamento básico. Tem 6.529 quilómetros quadrados e de 83 mil habitantes. Aos poucos está a ganhar infra-estruturas socais básicas. É constituída actualmente pelas comunas de Barra do Dande, Caxito, Mabubas, Quicabo e Úcua.
Geograficamente é limitado a norte pelos municípios do Ambriz e Nambuangongo, a este pelos municípios dos Dembos e de Pango Aluquém, a sul pelos municípios de Cambambe e Icolo e Bengo e a oeste pelo município do Cacuaco e pelo Oceano Atlântico.

Tempo

Multimédia