Províncias

Chuvas destroem casas no Bengo e desalojam centenas de famílias

Pedro Bica | Caxito

As fortes chuvas que se abateram nos últimos tempos sobre a província do Bengo provocaram a destruição de 353 casas e desalojaram centenas de famílias.

Serviços de Protecção Civil e Bombeiros continuam a fazer o levantamento dos danos
Fotografia: Jornal de Angola

As fortes chuvas que se abateram nos últimos tempos sobre a província do Bengo provocaram a destruição de 353 casas e desalojaram centenas de famílias. A informação foi dada à imprensa pelo comandante provincial dos Bombeiros do Bengo, Mateus Júlio Manuel Vunda, no âmbito das comemorações de mais um aniversário da corporação.
Além das casas, as chuvas, acompanhadas de fortes ventos e granizo, derrubaram árvores, destruíram instituições públicas, infra-estruturas sociais, tornaram as vias de acesso intransitáveis e inundaram campos agrícolas.
Os municípios mais afectados, segundo o comandante da corporação, são Dande, Dembos, Bula Atumba, Nambuangongo e Pango Aluquem, zonas que compreendem o triângulo agrícola e que registam grandes chuvas. 
Mateus Vunda disse que, de Janeiro a Novembro, os Bombeiros registaram na região 68 ocorrências, mais 11 em relação a igual período do ano passado, das quais 39 incêndios. A região do Dande lidera a lista com 34 incêndios, 25 afogamentos e 12 encarceramentos em viaturas acidentadas. Mateus Vunda realçou que a maior parte dos incêndios foram causados por curtos circuitos, fogo posto e negligencia.
O comandante informou que desde Janeiro se registaram 35 afogamentos, tendo o município do Dande totalizado 14 nos rios, nove nas praias da Barra do Dande e Panguila, um no Ambriz e seis na vala de irrigação do Caxito. Desde Janeiro, o comando provincial dos Bombeiros realizou 45 inspecções e aconselhamentos para evitar acidentes por afogamentos e incêndios.
No leque de acções constam também 26 campanhas de sensibilização aos banhistas e turistas nas zonas do Ambriz, Barra do Dande, Vala de irrigação do Caxito e ao longo do rio Dande. Mateus Vunda garantiu que foram feitos estudos nos seis municípios para criar quartéis municipais.

Tempo

Multimédia