Províncias

Especialistas de saúde abordam doença do sono

Maiomona Artur |Caxito

 Técnicos veterinários das províncias do Bengo, Benguela, Kwanza-Norte, Kwanza-Sul, Uíge, Zaire e Kuando-Kubango participam desde ontem, em Caxito, num seminário de formação sobre a tripanossomíase animal.

Técnicos veterinários das províncias do Bengo, Benguela, Kwanza-Norte, Kwanza-Sul, Uíge, Zaire e Kuando-Kubango participam desde ontem, em Caxito, num seminário de formação sobre a tripanossomíase animal.
Durante seis dias, os participantes vão abordar temas ligados à anatomia e identificação das glossinas (mosca tsé-tsé), ecologia comportamental da mosca tsé-tsé, planificação e implementação da vigilância dos tsé-tsés. Vão igualmente falar das técnicas de colheita de amostras e diagnóstico da tripanossomíase animal.
Paulo Afonso, médico veterinário ligado ao Ministério da Agricultura e Pescas defendeu, no acto de abertura do seminário, a formação contínua de técnicos veterinários em matérias sobre a tripanossomíase em animais bovinos, no âmbito da implementação do programa de controlo e erradicação das tsé-tsé e tripanossomiase.
Em declarações ao Jornal de Angola, o responsável disse que esta acção de formação vai fortalecer os técnicos veterinários com novos métodos de trabalho, no sentido de combater a mosca tsé-tsé em animais bovinos e não só.
Sublinhou que as acções de formação de técnicos dos serviços de veterinária em vigilância epidemiológica da “tsé-tsé” e tripanossomíase animal constituem ferramentas chaves para o combate à patologia.
Paulo Afonso apontou as províncias de Benguela, Bengo, Kwanza-Norte, Kwanza-Sul e Kuando-Kubango como as mais endémicas, devido à grande presença de moscas tsé-tsé.
Explicou que nas províncias de Namibe, Huíla, Cunene e Huambo não foram detectados casos da doença, enquanto em 14 províncias do país há presença da mosca tsé-tsé.
“Além de constituir um perigo para a vida das populações, também afecta animais irracionais, razão pela qual temos a missão de os proteger contra todo o tipo de doenças”, realçou.
De 2009 a 2010, técnicos veterinários do Ministério da Agricultura e Pescas prospectaram sete mil casos de tripanossomiase em bovinos.

Tempo

Multimédia