Províncias

Município do Dande com mais bibliotecas

A Administração Municipal do Dande, província do Bengo, lançou a campanha Eu quero ler, eu quero escrever, através da Direcção Municipal da Cultura, para desenvolver nos alunos dos primeiros anos do ensino geral o gosto pela leitura e pela escrita.

Rui Ramos (à esquerda) garante a abertura de mais bibliotecas
Fotografia: Edições Novembro

Na quinta-feira, teve lugar a inauguração da primeira Biblioteca Escolar, na Escola 302 do Kijoão Mendes, em Caxito, com algumas centenas de livros doados pela iniciativa cultural Um Livro, Uma Criança, Muitas Leituras, para apoio da campanha.
Rui Ramos, jornalista e coordenador da iniciativa, disse ao Jornal de Angola que a entrega desses livros insere-se num pacote de 1.500 livros infantis e de apoio escolar que a organização da sociedade civil ofereceu à Direcção Municipal da Cultura do Dande para apetrechar as primeiras cinco bibliotecas em escolas do município.
“Os professores solicitaram o apoio da iniciativa Um Livro, Uma Criança, Muitas Leituras que de pronto disponibilizou os livros que vão apoiar o programa Eu quero ler, eu quero escrever, que vai expandir-se gradualmente à generalidade das escolas do município”, explicou Rui Ramos, para acrescentar que o objectivo da Administração Municipal é fazer chegar livros a todas as escolas dos municípios e das comunas para fomentar o hábito da leitura entre as crianças, ao mesmo tempo que livros de apoio pedagógico vão ajudar a investigação científica dos professores.
A iniciativa Um Livro, Uma Criança, Muitas Leituras foi fundada há cerca de cinco anos e já criou e apetrechou 110 bibliotecas em centros de acolhimento de crianças, em pediatrias, em escolas de todos os níveis do ensino geral e médio e em escolas de formação de professores nas 18 províncias do país, com mais de 35 mil livros doados em Angola e Portugal.
No Bengo, não é a primeira vez que a iniciativa cria bibliotecas infantis e juvenis. “Já criámos bibliotecas na pediatria do Hospital de Caxito, no Centro Escolar João Paulo II, na Escola de Formação de Professores do Futuro e na Escola Missionária de Caxito, com mais de dois mil livros”, disse Rui Ramos, que explicou que para breve está agendada a criação de mais bibliotecas em escolas e centros infantis de Viana, no bairro Hoji ya Henda do Cazenga, na Escola Delegado Eusébio Nelson no Dundo e uma biblioteca comunitária em São Tomé e Príncipe.

Administrador enaltece projecto
 

O projecto “Eu quero ler e escrever”, lançado quinta-feira no Bengo, vai impulsionar o hábito de leitura e escrita nas crianças, afirmou, em Caxito, o administrador municipal adjunto do Dande para a área Económica e Social, António Francisco Mateus.  O responsável fez esta afirmação à margem da inauguração da 1ª biblioteca de apoio ao concurso de leitura e escrita, reforçando que a iniciativa vai ajudar as crianças a ler correctamente.
A biblioteca, localizada na escola 302, é uma parceria do movimento literário Lev’Arte e a ONG “Um livro, uma criança e muitas leituras”. A mesma comporta cinco mil livros.
Por outro lado, 24 casos de violência contra a criança foram notificados durante o primeiro semestre deste ano, na província do Bengo, pelo Instituto Nacional da Criança, revelou ontem, em Caxito, o director provincial da instituição. Segundo Luciano Chila, a cifra representa um aumento de nove ocorrências comparativamente a igual período do ano anterior, cujos casos consubstanciam-se na tentativa de abuso sexual e de violação, ofensas corporais simples e graves, homicídio voluntário, fuga à paternidade e disputa de guarda de filho.
Consta ainda dos casos a exploração do trabalho infantil, suspeita de tráfico de menores e aborto provocado. Luciano Chila disse que houve um aumento de casos pelo facto de as famílias insistirem na prática de acções negativas e socialmente condenáveis.

Tempo

Multimédia