Províncias

Novos serviços no hospital do Ambriz

Edson Fontes| Ambriz

O Hospital Municipal do Ambriz, na província do o Bengo, vai dispor brevemente de novas valências. Trata-se do bloco operatório e dos cuidados intensivos, que surgem no âmbito das obras de melhoria em curso.

Parte frontal do Hospital Municipal do Ambriz que está a ser reabilitado e ampliado para melhorar a assistência à população
Fotografia: Edmundo Eucílio| Bengo

O director do hospital, Mavitidi Sebastião, salientou que os equipamentos para apetrechamento das referidas áreas de serviço já estão disponíveis.
O responsável clínico avançou que, depois das obras, a unidade vai dar início ao treinamento e preparação dos técnicos que vão trabalhar nos novos serviços e especialidades.
O director avançou que, neste momento, o Hospital Municipal do Ambriz atende pacientes nas áreas de medicina geral, pediatria, ginecologia e obstetrícia e oftalmologia.
Quanto ao quadro epidemiológico, Mavitidi Sebastião disse que o município do Ambriz regista muitos casos de malária, doenças respiratórias agudas, diarreia, problemas de hipertensão arterial e de diabetes.
O director do hospital manifestou-se ainda preocupado com os casos de traumatismos, que aumentam ultimamente em resultado dos acidentes rodoviários, situação motivada pela disposição da nova estrada, onde os automobilistas procuram acelerar em demasia, sem controlar os riscos de tal procedimento.
O responsável clínico disse que a assistência médica e medicamentosa é regular, tendo salientado que os pacientes com necessidades de uma maior intervenção são normalmente encaminhados para o Hospital Provincial do Bengo, em Caxito. />Mavitidi Sebastião disse ainda que o hospital atende cerca de 60 pacientes por dia, sobretudo nas consultas externas e no banco de urgência.
Neste momento, a unidade tem capacidade para 36 camas de internamento, mas, com a implementação de novos serviços, o estabelecimento clínico vai passar a contar com 75 leitos. Quanto ao corpo clínico, o director avançou que o hospital controla dois médicos, 35 técnicos auxiliares e médios de enfermagem.
Estes técnicos começam a actividade do dia com uma acção de interacção com pacientes, em que promovem, educam e sensibilizam sobre cuidados a ter com a saúde, por meio de palestras.
Mas, Mavitidi Sebastião informou que o hospital precisa de 47 novos técnicos, para cobrir as necessidades e garantir um melhor funcionamento das suas estruturas. Neste momento, o hospital tem alguns técnicos em formação no Instituto Médio de Saúde do Bengo, onde estão a ser preparados para garantir o funcionamento do bloco operatório e da área de estomatologia.
No que diz respeito ao vírus do ébola, o director do hospital assegurou que os técnicos estão sensibilizados para a vigilância. “Estamos a redobrar os cuidados de casos suspeitos e, felizmente, não temos registos da doença”, remata.

Tempo

Multimédia