Províncias

O regresso à ancestral vocação agrícola

Noé jamba e Guimarães Silva | Bengo

Suporte agrícola do país graças à sua riqueza hídrica com linhas e reservas de água consideráveis, a província do Bengo é um potencial económico por excelência.

No domínio da construção foram erguidas de raiz várias infra-estruturas que melhoraram a imagem arquitectónica da província
Fotografia: Edmundo Eucílio | Bengo

Suporte agrícola do país graças à sua riqueza hídrica com linhas e reservas de água consideráveis, a província do Bengo é um potencial económico por excelência.
O portal do Ministério da Administração do Território afirma que o Bengo “apresenta um quadro geral de carências e constrangimentos que impedem o pleno desenvolvimento do tecido económico e social e a melhor utilização dos meios e recursos”.
Com uma superfície de 41 mil quilómetros quadrados e uma população de aproximadamente 500 mil habitantes, possui oito municípios: Kissama, Nambuangongo, Pango Aluquém, Ambriz, Bula Atumba, Dande, Dembos e Icolo e Bengo. De clima tropical seco, a província produz algodão, mandioca, palmeiras, citrinos, café e outros produtos agrícolas e possui enxofre, sal-gema, fosfatos e quartzo.
Quem viaja por estrada pela província percepciona a melhoria das condições de vida dos habitantes, em grande parte devida à facilidade de deslocação de pessoas e bens, um pouco por todo o lado. A proximidade com a capital do país é outro alento, por dar azo a que empresários e outros empreendedores, sobretudo do ramo agrícola, invistam na província.

Estradas e pontes reabilitadas

Em termos de estradas e pontes a província deu, em 2010, um passo significativo, pois possui mais de 700 quilómetros de vias construídas e reabilitadas e dois quilómetros de pontes de construção definitiva. Este esforço faz com que se utilizem as vias Kifangondo-Funda-Catete e desta localidade para Cabala sem problemas de maior. De igual modo, os troços Kifangondo-Caxito-rio Dange oferecem garantias de uma circulação fluida e em condições. O ramal da barra do Dande é outro empreendimento que facilita idas e vindas até à província do Zaire.
Emblemático é o troço de 45 quilómetros entre o Úcua e Pango Aluquém. A inauguração da estrada, em Fevereiro, segundo Felisberta dos Anjos, a administradora municipal do Pango, é a valia que faltava. “A via estava completamente esburacada, com pontes destruídas. Este quadro atrasou o desenvolvimento, porque o transporte de pessoas e bens acontecia a conta gotas. Hoje, o quadro mudou para melhor e o almejado desenvolvimento só depende da vontade dos homens”. O actual cenário de Pango Aluquem já convida ao financiamento de grandes investidores, sobretudo no campo agrícola. O município foi um dos grandes produtores de café no passado e os fazendeiros aguardam por dinheiro fresco, para que o Pango volte a sorrir e, paulatinamente, se reafirme.

Fazem falta professores

No portal do MAT recolhemos a informação de que “para se atingir o objectivo de ampliação da rede escolar, a necessidade de professores, para os diversos níveis de ensino, cifra-se em 798 novos docentes”.
A província possui 234 escolas do primeiro nível de ensino, 11 do seguinte, nove do terceiro e três estabelecimentos do ensino médio e um total de 69.241 alunos. 
A comuna de Kabiri possui uma escola rural de formação e ofícios, denominada “Cidadela Jovens de Sucesso”, com capacidade para acolher 200 alunos. Em construção está o Instituto Médio de Agronomia, para dar um impulso na formação de mais quadros e responder à procura que o sector necessita, estando em funcionamento a Escola Superior Pedagógica e um núcleo do Instituto Superior Técnico de Angola, que acolhem inclusive estudantes da província de Luanda.
O Bengo tem sete hospitais, dos quais quatro em funcionamento, cinco centros de saúde, 56 postos, dos quais 39 por reabilitar. O pessoal médico é composto por dez médicos, 358 enfermeiros e 193 promotores. Diz o portal do MAT que “ para se atingirem os objectivos programáticos de ampliação da rede sanitária”, a província necessita de 12 médicos especialistas – em cirurgia, ortopedia, ginecologia, obstetrícia e pediatria –, 30 de clínica geral e mais 200 enfermeiros.
O sector das águas encontra-se em expansão graças ao programa “Água para todos”. A comuna de Kabiri, em Icolo e Bengo, possuiu uma estação de tratamento que abastece a Mabuia, Banza Quitel e Kingongo. Os municípios do Dande e da Kissama são, de igual modo, abastecidos com água tratada.

Parque industrial em expansão

O ano que agora termina registou uma explosão em termos de potencial industrial. O parque tem já assentes as fábricas de cerveja, Coca-Cola, engarrafamento de água de mesa e cerâmica. Estas últimas são as mais visíveis pela concorrência e localização geográfica. A criação de empregos e a redução das importações são as principais bandeiras dos investidores que conseguem colocar no mercado grande quantidade de produtos.
A indústria extractiva também tem o seu espaço e acompanha os esforços de reconstrução nacional. Na estrada em direcção ao Úcua são visíveis os sinais da produção em grande escala de brita preta, de grande procura na construção de estradas e outros trabalhos de engenharia civil.
Para suporte do esforço de reconstrução, os municípios do Dande e Icolo e Bengo têm estabelecimentos bancários que cumprem o seu papel em termos de transacções.

Tempo

Multimédia