Províncias

Plano de gestão hidrográfica ajuda a reduzir efeitos da seca

Elautério Silipuleni | Ondjiva

O plano integrado dos recursos hídricos das bacias hidrográficas do Cunene, Cuvelai e  Cubango permite regular o caudal e garantir a segurança hídrica de forma a atenuar os efeitos da seca na província,

A seca vai deixar de ser um problema para os habitantes do Cunene com a implementação do plano integrado dos recursos hídricos
Fotografia: Venâncio Martins

garantiu ontem, em Ondjiva o director-geral do Instituto Nacional de Recursos Hídricos do Ministério de Energia e Água.
Manuel Quintino, que falava durante um encontro de apresentação dos resultados preliminares dos estudos sobre o aproveitamento das bacias do Cunene, Cuvelai e Cubango, referiu que uma vez concluído o projecto a província vai passar a contar com maior segurança hídrica.
“Não dizemos que o problema da seca é totalmente resolvido, mas sim minimizado, porque há outros recursos, tendo em conta que a transferência dos caudais a partir de outras bacias, no caso de insegurança hídrica,  ajuda  a suprir as necessidades de água para as populações, assim como dos projectos agro-industriais e pecuários”, disse Manuel Quintino.
O director nacional dos recursos hídricos considerou o plano de gestão das bacias do Cunene, Cuvelai e Cubango um instrumento, e referiu  serve como suporte da elaboração de outros estudos para dar soluções estruturantes e definitivas àsituação das cheias e da seca e, ao mesmo tempo, potenciar projectos agrícolas.“O plano é de extrema importância, pois contém métodos que podem vir a minimizar as consequências resultantes das mudanças climáticas que assolam a região”, disse Manuel Quintino, que acrescentou   que o projecto prevê  a gestão das águas  tanto em período de seca como de cheias.  “O plano de gestão e aproveitamento das bacias dos rios Cunene, Cuvelai e Cubango procura definir as linhas mestras de intervenção das acções a serem desenvolvidas para se dar o melhor uso à bacia hidrográfica do rio Cuvelai”, precisou Manuel Quintino, que disse acreditar que com o projecto a província poderá conhecer um outro rumo de desenvolvimento em infra-estruturas sociais.
“O plano de gestão e aproveitamento das bacias é importante, pois identifica o potencial em termos de recursos hídricos da bacia do rio Cuvelai, as diferentes necessidades, tendo em conta os factores de natureza económica, social e ambiental”, disse Manuel Quintino, que explicou  ser necessário explorar o potencial da rede hidrográfica existente, daí que o Ministério da Energia e Águas, através do  Instituto Nacional de Recursos Hídricos,   promova a elaboração de planos de desenvolvimento de recursos hídricos de bacias hidrográficas, para   uma boa gestão dos recursos hídricos existentes no país.

Sector hidrográfico

O vice-governador provincial para Sector Político e Social, José do Nascimento Veyelenge, considerou  ser de grande importância o projecto para o sector hidrográfico, numa altura que o Executivo está a envidar esforços para diversificação da economia.
“A água constitui um grande factor de desenvolvimento económico e social, sobretudo no fomento da agriculta irrigada, no fomento da indústria transformadora e, neste caso, a província do Cunene vai ganhar uma outra dimensão em termo de projecto agropecuário e industrial”, salientou o vice-governador provincial.
José do Nascimento Veyelenge sublinhou que o Governo provincial está a implementar projectos de modo aproveitar o potencial hídrico para fortificar o processo produtivo, muito dependente da chuva.

Tempo

Multimédia